TCU apresenta resultado de auditorias feitas em cinco áreas prioritárias

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

17 de novembro de 2014

Brasil

O presidente do Tribunal de Contas da União (TCU), Augusto Nardes, apresentou hoje (17) ao presidente da República em exercício, Michel Temer, e aos governadores eleitos, o Pacto pela Boa Governança – Um Retrato do Brasil. Com a iniciativa, o TCU detalha o mapeamento das auditorias que fez em cinco áreas prioritárias, indicando os principais problemas da administração pública na saúde, educação, previdência social, segurança pública e infraestrutura.

Durante o evento, Temer e o presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), assinaram a Primeira Carta de Brasília pela Boa Governança. A União apoia integralmente o projeto, baseada na “concepção de que nós todos unidos é que governamos o país”, disse Temer. O presidente em exercício destacou a importância, no Estado Democrático de Direito, do fato de os políticos eleitos representarem a vontade popular.

Para ele, o pacto terá, seguramente, a colaboração de todos os que governam a União, os estados e municípios. “Sei que todos nós vamos assinar este documento e enfatizar essas ideias”, acrescentou Temer. Antes de destacar os gargalos nas cinco áreas monitoradas, o ministro Augusto Nardes informou que o tribunal promoveu uma parceria com 12 países para se inteirar das boas práticas aplicadas em todo o mundo. "Um pacto que promova mudança para próximos anos, mas que começa agora, [para] que possa ser pensado um país para o futuro, o que queremos como nação.”

Ao apresentar os gargalos identificados nas diferentes áreas e regiões brasileiras, o presidente do TCU citou, por exemplo, deficiências na gestão de recursos humanos e materiais para a saúde, no aparelhamento da rede pública de educação e na efetivação da Política Nacional de Segurança Pública. Nardes destacou também a baixa qualidade de projetos de infraestrutura e os atrasos na implantação de empreendimentos para geração de energia elétrica.

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com