Somália: bombardeio deixa ao menos 6 mortos e 15 feridos

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.

4 de julho de 2020

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Mogadício e Baidoa no mapa

Pelo menos cinco pessoas morreram e mais de oito ficaram feridas quando um posto de controle de segurança do governo foi bombardeado em Baidoa, capital administrativa da Somália no sudoeste do estado, no sábado, disseram testemunhas e autoridades de segurança.

Autoridades em Baidoa, cerca de 250 quilômetros a oeste de Mogadíscio, disseram à VOA somali que a explosão aparentemente veio de uma mina terrestre controlada remotamente, plantada em um ponto de coleta de impostos do governo na parte sul da cidade.

"Quatro civis e um soldado do governo morreram na explosão e outros oito ficaram feridos", disse o comissário distrital de Baidoa, Hassan Mo'alim Bikole. "Os feridos estão sendo tratados em hospitais."

Bikole disse que a maioria das vítimas eram civis.

Na capital da Somália, Mogadíscio, um homem-bomba dirigindo um veículo explodiu em frente à sede do governo, ferindo sete pessoas, incluindo seguranças.

“As forças de segurança suspeitaram do veículo, que acelerou em direção ao prédio da sede da receita. Os policiais que guardavam o local impediram que ele atingisse seu alvo e o motorista bateu o veículo em uma parede do perímetro próximo antes que ele se explodisse ”, disse Sidiiq Dodishe, porta-voz da polícia. Cinco policiais ficaram feridos na explosão, acrescentou.

Testemunhas disseram que dois transeuntes civis também sofreram ferimentos leves.

Nenhum grupo assumiu a responsabilidade por nenhum dos ataques, mas o grupo militante da Al Qaeda, Al-Shabab, assumiu a responsabilidade por tais incidentes na Somália ao longo dos anos.

O governo somali condenou os dois ataques, dizendo que tais incidentes não impedirão seus esforços para estabilizar o país.

O porta-voz do governo Ismael Mukhtar Omar disse que o al-Shabab está por trás dos dois atentados.

Moradores de Mogadíscio disseram que a explosão foi a maior que ouviram desde dezembro passado.

Acredita-se que as medidas tomadas pelas forças de segurança somalis na cidade, incluindo a criação de barreiras que levem a escritórios do governo e grandes instalações, tenham minimizado ataques contra bases militares, hotéis, restaurantes e outros locais públicos.

Fontes