Sobe para 100 número de atentados em Santa Catarina

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

10 de outubro de 2014

Um colégio e dois caminhões incendiados nesta madrugada em Santa Catarina foram os mais recentes alvos dos ataques criminosos cometidos no estado desde o último dia 26. Com as ocorrências (as primeiras após quase 48 horas de trégua) chega a 100 o número total de atentados registrados em 31 cidades, em apenas duas semanas.

Segundo a Polícia Militar, duas salas do Colégio João Batista da Cruz, no bairro Meia Praia, na cidade de Penha, a cerca de 110 quilômetros ao norte de Florianópolis, foram incendiadas por volta da 1h30 de hoje (10). O vigilante de serviço relatou que fazia a ronda quando percebeu as chamas. De acordo com ele, alguém invadiu a sala da diretoria, levou as chaves das duas salas e espalhou material inflamável pelo local, ateando fogo em seguida. Uma das salas ficou totalmente destruída.

Já em Laguna, 122 quilômetros ao sul de Florianópolis, dois caminhões foram incendiados e destruídos pelas chamas. A origem do fogo ainda sendo investigadas, mas a PM informou já ter identificado indícios de que se tratar de um incêndio criminoso.

Apenas entre a tarde de ontem (9) e hoje, policiais militares detiveram cinco homens e apreenderam um adolescente suspeitos de envolvimento com os ataques. No total, chega a 57 o número de adultos presos e 18 adolescentes apreendidos desde o início da onda de ataques.

Quarenta e um ônibus já foram incendiados ou depredados. Oito bases policiais, cinco viaturas e as residências de 24 agentes de segurança foram atacadas. Um agente de segurança foi morto e dois suspeitos morreram em confronto com policiais.

Desde a última quarta-feira (8), policiais da Força Nacional enviados ao estado no último final de semana e da Polícia Rodoviária Federal (PRF) reforçam as barreiras montadas em estradas catarinenses a fim de impedir a entrada de armas e drogas no estado.

Fonte[editar]

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati