Situação de segurança incerta após violência mortal no oeste de Darfur

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.

15 de março de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Embora a calma tenha retornado à área de Jebel Moon, no estado de Darfur Ocidental, no Sudão, após uma nova onda de violência que deixou 19 pessoas mortas, um grupo independente que ajuda deslocados internos e refugiados diz que a situação de segurança permanece incerta.

Adam Rijal, porta-voz da Coordenação Geral para Deslocados e Refugiados em Darfur, disse.

“Darfur, e especialmente Jebel Moon, está passando por uma situação de segurança instável caracterizada por violações e crimes que ocorrem sob a vigilância do governo de golpe militar [do Sudão] contra civis desarmados que residem em suas aldeias e essas milícias vêm e os atacam sem qualquer provocação por parte. dos civis”, disse Rijal.

O Comitê Central para Médicos Sudaneses disse no sábado que o número total de mortos em Jebel Moon em março subiu para 35 depois que milicianos armados atacaram civis e queimaram suas aldeias.

O chefe da Missão Integrada de Assistência à Transição das Nações Unidas no Sudão, Volker Perthes, divulgou um comunicado no domingo condenando os ataques.

Perthes disse que a violência representa “outro sinal alarmante da crescente instabilidade no Sudão”. Ele pediu às autoridades sudanesas que restaurem a estabilidade na região e instou todas as partes a agir “com moderação” para evitar mais violência.

A porta-voz do Conselho Soberano, Salma Abdel-Jabbar Al-Mubarak Musa, disse na segunda-feira que o órgão governante do Sudão “discutiu a implementação do Plano Nacional de Proteção de Civis e sua importância para alcançar a estabilidade em Darfur”. Mubarak disse que o Conselho também discutiu a “necessidade urgente de ativar os escritórios de acusação e tribunais judiciais em Darfur para facilitar a realização da justiça”.

Jebel Moon experimentou uma onda de violência em novembro do ano passado, quando nômades árabes atacaram agricultores da região. O Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários disse que pelo menos 43 pessoas foram mortas e 46 aldeias foram queimadas e saqueadas.

Rijal disse que ataques semelhantes foram retomados este mês, com ataques em 3 e 5 de março deixando 16 pessoas mortas, e mais ataques na quinta-feira passada matando 19. Ele diz que outras 21 pessoas ficaram feridas e quatro vilarejos queimados.

O Comitê Central para Médicos Sudaneses divulgou um comunicado no sábado confirmando os mesmos números.

Milhares de civis fugiram para o leste do Chade e estão abrigados no campo de refugiados de Farchana, perto da fronteira com Darfur, disse Rijal.

Ele argumenta que o que está acontecendo em Jebel Moon não é uma disputa étnica, mas uma batalha por minerais e terras que envolve uma campanha sistemática para deslocar os aldeões locais.

“Alguém quer ter acesso a esses recursos e está colocando alguns grupos contra outros para que possam ter os recursos da área. Os agressores não compartilham necessariamente uma afiliação tribal”, disse Rijal. “Se eles conseguirem deslocar a população local, o governo virá e terá acesso a todos os recursos, incluindo ouro e outros minerais. A área também é propícia para a criação de gado por causa da terra fértil com muita água e vegetação exuberante.”

Rijal afirma que os milicianos que realizaram os recentes ataques vieram de áreas amplas e remotas, incluindo Nyala no sul de Darfur, Zalingei no centro de Darfur e além da fronteira no vizinho Chade. Os homens estavam armados com metralhadoras nas traseiras de picapes e motocicletas e usaram essas armas para atacar os moradores e saquear suas propriedades, diz ele.

Um acordo de paz de 2020 assinado entre o governo de transição do Sudão e grupos rebeldes de Darfur previa uma força conjunta especial para proteger civis em Darfur. A força ainda não foi formada.

Rijal disse que os milicianos que atacaram Jebel Moon e outras partes de Darfur são os mesmos grupos acusados ​​de cometer crimes contra a humanidade e outras atrocidades contra civis em Darfur sob o ex-presidente sudanês Omar al-Bashir, que foi deposto em abril de 2019.

O golpe militar do Sudão em outubro do ano passado, que encerrou o governo de transição liderado por civis, encorajou os milicianos em Darfur a praticar crimes contra civis com impunidade, segundo Rijal.

Fontes