Saída de sem-terra de fazenda no Mato Grosso do Sul causa preocupação

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

18 de junho de 2006

Brasil

Mais de mil famílias de integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra ocupam a Fazenda Teijin, em Nova Andradina, no Mato Grosso do Sul.

Os sem-terra querem a desapropriação da fazenda e alegam que a área é improdutiva. Em 2001, o Diário Oficial da União publicou um decreto que desapropriava a área.

Os proprietários da fazenda apontam laudo técnico do Incra que não recomenda a desapropriação por considerar a fazenda produtiva. O Tribunal Regional Federal decidiu no começo de junho que a fazenda não deve ser desapropriada.

A Justiça Federal de Dourados mandou os sem-terra desocuparem o local. O clima é tenso e há o temor de que a fazenda seja depredada. Segundo o jornalista João Naves, de O Estado de S. Paulo, os sem-terra ameaçam matar parte dos 10 mil bois da fazenda. Os líderes do movimento responsáveis pela invasão da propriedade disseram que não têm condições de controlar os invasores.

MST contesta jornal

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra em seu website alega que a informação publicada pelos jornais a respeito da ocupação da Fazenda Teijin no Mato Grosso do Sul não é totalmente verdadeira.

Segundo os sem-terra[1]:

Nem gado confinado, nem reféns. As informações que sustentam o contrário, publicadas já há alguns dias pelos chamados "grandes jornais" sobre a situação da fazenda Teijin, no Mato Grosso do Sul, não dialogam com a realidade. Até mesmo um dos 29 funcionários supostamente feitos "reféns" por mil famílias sem-terra que estão na área disse ao jornal Correio do Estado, de Campo Grande que eles não estão impedidos de sair da propriedade e que o rebanho está solto no pasto.

Fontes