Síria diz ter interceptado 13 mísseis americanos

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência VOA

14 de abril de 2018

A televisão pública da Síria revelou na noite desta sexta-feira, 13 de abril, que os sistemas de defesa do Governo interceptaram ataques aéreos que atingiram Damasco.

Estados Unidos, Reino Unido e França lançaram ataques em resposta ao suposto uso de armas químicas pelo regime de Bashar al-Assad num ataque em Duma no dia 7 de Abril.

O regime sírio nega o uso de armas químicas, que são proibidas por convenções da ONU.

A imprensa estatal síria criticou os ataques aéreos, chamou a ofensiva de uma violação da lei internacional e disse que o ataque tinha como alvo os depósitos do exército na área de Homs.

Agressão precisa

"A agressão tripla é uma violação flagrante do direito internacional", informou a agência de notícias estatal.

O Pentágono anunciou que três alvos foram atingidos na Síria: um centro de pesquisa e produção de armas químicas e biológocas em Damasco, um armazém de armas químicas em Homs, a leste de Damasco – em que os Estados Unidos acreditam que estavam depósitos de gás sarin – e uma base na mesma cidade que também teria armas químicas.

O Ministro da Defesa do Reino Unido diz que mísseis Shadow foram usados contra um depósito a 24 quilómetros a oeste de Homs, onde teria sido constatado que o Governo sírio faria manutenção de armas químicas.

Ele disse ainda que o local atingido fica distante de qualquer ponto habitado.

O Observatório Sírio para Direitos Humanos (OSDH) afirmou que um centro de pesquisa científica e bases militares em Damasco foram atingidos por ataques aéreos.

Entre os alvos estão a Guarda Republicana e a 4ª Divisão, unidades de elite do exército sírio.

A agência Reuters cita testemunhas como tendo dito que grandes explosões foram ouvidas em Damasco,e colunas de fumaça foram vistas na região durante o pronuciamento de Trump.

Rússia adverte

Após o ataque, a embaixada da Rússia nos Estados Unidos divulgou no Twitter um comunicado em tom de ameaça, no qual afirma que “tais acções não serão deixadas sem consequências” e que “insultar o Presidente da Rússia é inaceitável e inadmissível”.

“As piores apreensões se tornaram realidade. Nossos avisos não foram ouvidos", diz o comunicado russo.

"Um enredo pré-armado está sendo implementado. Novamente, estamos sendo ameaçados. Alertamos que tais ações não serão deixadas sem consequências", acrescenta a nota da embaixada da Rússia nos EUA.

"Todas as responsabilidades sobre elas estão com Washington, Londres e Paris. Insultar o presidente da Rússia é inaceitável e inadmissível. Os EUA – possuidores do maior arsenal de armas químicas – não têm direito moral de culpar outros países”, conclui a nota.

Fonte

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati