República Centro-Africana presta homenagem ao Exército Nacional e aos soldados russos

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.

25 de fevereiro de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Enquanto grande parte do mundo denunciou a invasão da Ucrânia pela Rússia na quinta-feira, a capital da República Centro-Africana, Bangui, recebeu uma homenagem aos paramilitares russos que ajudaram a derrotar os rebeldes há um ano.

No centro da cidade de Bangui, uma estátua de tamanho humano erguida no ano passado retrata as forças de segurança da África Central e da Rússia protegendo uma mulher e seu filho.

Enquanto os países ocidentais tentavam em vão na quarta-feira impedir a agressão militar russa contra a Ucrânia, cerca de 100 centro-africanos se reuniram no monumento segurando bandeiras russas.

O grupo estava prestando homenagem aos russos que ajudaram a defender a capital, Bangui, no ano passado contra os rebeldes.

Blaise-Didacien Kossimmatchi organizou a cerimônia. Ele lidera a plataforma National Galaxy, um grupo centro-africano próximo ao governo que frequentemente realiza protestos contra a França e as Nações Unidas.

Ele diz que eles dizem não a tudo o que é uma campanha de difamação contra nosso exército e nossos russos, especialmente pela imprensa internacional que qualifica os russos como mercenários. Kossimatchi acrescenta: “não, os russos não estão aqui para fazer cobranças — os russos fizeram nada!”

Especialistas da ONU acusam russos de abusar de civis na RCA e vários outros países.

Vários dos que comemoravam o aniversário usavam camisetas que diziam “Eu sou Wagner”, uma referência ao Wagner Group, a rede russa que fornecia os soldados russos.

Analistas dizem que o aliado do presidente russo Vladimir Putin, Yevgeny Prigozhin, está por trás do Grupo Wagner.

Os combatentes de Wagner fornecem segurança para o presidente Faustin-Archange Touadéra e foram vistos da Síria à Líbia e de Moçambique ao Mali.

Yefi Kezza, membro do partido governista, diz que eles estão mudando a história. "Esta é uma mensagem forte que estou enviando hoje à Embaixada da França", diz ele.

“É hora de cooperar com o presidente Touadera e tentar libertar o país juntos”, diz Kezza. “Somos gratos aos russos. Estamos aqui hoje e convidamos os russos a se juntarem a nós para agradecê-los junto com nosso exército nacional.”

Nenhum russo compareceu à celebração em Bangui, mas um comandante do Exército da África Central estava no meio da multidão.

Um homem segurava uma placa que dizia: “A Rússia salvará o Donbass da guerra”, referindo-se à área no sudeste da Ucrânia que a Rússia declarou independente esta semana antes de lançar sua invasão.

Um porta-voz do governo se recusou a comentar sobre a celebração.

Fontes