Renan Calheiros defende reforma política

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

28 de outubro de 2014

Brasil

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), defendeu hoje (27), em nota, a superação das divergências, que marcaram a disputa presidencial, a reforma política, apontada como prioridade pela presidenta Dilma Rousseff, e pediu para que todos os brasileiros, notadamente, os homens públicos, “reflitam sobre a humilde convocação feita pela presidenta reeleita [Dilma Rousseff] em torno da conciliação nacional”.

Renan disse que essas eleições entrarão para a história como uma das mais acirradas e combativas desde a redemocratização do Brasil. “Mesmo com tantos tensionamentos, venceu a democracia e o pleito foi marcado pela ordem e respeito aos resultados”, disse. Segundo ele, uma eleição não tem terceiro turno, então agora é hora de seguir em frente e buscar a união nacional, “como também defendeu elegantemente o senador Aécio Neves, candidato da oposição”.

Na nota, o presidente do Senado disse que o melhor caminho é o Congresso Nacional aprovar a reforma política e submetê-la a um referendo popular, como foi feito na proibição da venda de armas de fogo e munição no país. “Um dos maiores recados dados aos governantes nas ruas em 2013 e, agora nas eleições gerais de 2014, foi que a sociedade está atenta, madura e exigindo ser ouvida com mais assiduidade e mais respeito. A sociedade exige mudanças, mas também deseja ser protagonista neste processo”, disse.

No ano passado, após as manifestações populares do meio do ano, o governo encaminhou documento ao Congresso sugerindo um plebiscito abordando cinco temas sobre a reforma política. Com isso, líderes de quatro partidos da base governista apresentaram um Projeto de Decreto Legislativo (PDC 1.258/13), dispondo sobre convocação de plebiscito para consultar o eleitorado sobre o sistema eleitoral a ser adotado no país.

No PDC, os líderes, que conseguiram o apoio de 188 deputados, propõem que os eleitores posicionem-se sobre o sistema a ser adotado nas eleições para as Casas Legislativas, financiamento de campanhas eleitorais, duração de mandatos eletivos, reeleição, coligações partidárias, bicameralismo, candidaturas avulsas e calendário eleitoral. O PDC foi encaminhado às comissões de Financias e Tributação e Constituição e Justiça da Câmara para apreciação.

Fontes[editar]

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati