Reino Unido 'reconhece inequivocamente' Juan Guaidó como presidente da Venezuela

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

2 de julho de 2020

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram
Juan Guaidó

A Grã-Bretanha reconheceu o líder da oposição venezuelana Juan Guaidó como presidente do país, decidiu o Supremo Tribunal da Inglaterra na quinta-feira, em um caso sobre se Guaido ou Nicolás Maduro devem controlar US $ 1 bilhão de ouro armazenado em Londres.

Uma audiência de quatro dias na semana passada foi a última parte de um cabo-de-guerra sobre as reservas de ouro mantidas no Banco da Inglaterra e centrada em qual dos dois presidentes rivais é o líder legítimo da Venezuela.

No início de 2019, o governo britânico juntou-se a dezenas de nações para apoiar Guaidó, chefe do congresso controlado pela oposição da Venezuela, depois que ele declarou uma presidência interina e denunciou Maduro como um usurpador em uma reeleição fraudulenta.

O juiz da Suprema Corte Nigel Teare proferiu uma sentença determinando que a Grã-Bretanha havia "inequivocamente" reconhecido Guaido como presidente interino constitucional. Teare baseou sua decisão na chamada doutrina de "uma voz", na qual o tribunal deve aceitar como conclusiva uma declaração inequívoca do governo britânico que reconhece o líder de uma nação estrangeira.

"O judiciário e o executivo devem falar a uma só voz", disse Teare. "Não pode haver dois presidentes da Venezuela."

A equipe jurídica de Maduro disse que seu banco central (BCV) quer vender o ouro para financiar a resposta da Venezuela ao coronavírus. Seu banco central entrou com uma ação contra o Banco da Inglaterra em maio, alegando que havia proibido o acesso às reservas de ouro da Venezuela.

A oposição alega que Maduro quer usar o ouro para pagar seus aliados estrangeiros, o que seus advogados negaram. Nos últimos dois anos, o governo de Maduro retirou cerca de 30 toneladas de suas reservas na Venezuela para vender no exterior.

"Conseguimos o ouro para o futuro do povo venezuelano", disse à Reuters a embaixadora de Guaidó no Reino Unido, Vanessa Neumann.

Um membro da equipe jurídica de Guaidó disse que agora espera que o tribunal determine se Guaidó tem autoridade para representar o banco central da Venezuela em outro caso legal para decidir sobre o controle do ouro.

Fonte

Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit