Realizada a 26ª Conferência Regional da FAO

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência VOA

6 de maio de 2010


O Relatório do Comité Técnico apresentado ao princípio da tarde de hoje era aguardado com alguma expectativa sobretudo devido as conclusões a que chegaria no toca a questões que se prendem por exemplo com as “Repercussões das mudanças climáticas sobre a segurança alimentar e gestão dos recursos naturais” e os “Apoios prestados pela FAO aos países para os programas relacionados com Agricultura”.

Com uma agricultura de sequeiro, subdesenvolvida portanto que reproduz círculos viciosos de pobreza familiar é com natural expectativa que os olhos do continente convirjam para Luanda onde ministros e representantes de 53 países estão reunidos para decidir sobre questões que têm a ver com a fome, segurança alimentar, reformas e o plano de trabalhos para os próximos anos.

O dia de hoje foi intenso de trabalhos. O Relatório da Conferência é adoptado amanhã. Angola que tem recursos e potencial para a agricultura apresentou-se com números de um balanço positivo a indicar melhorias segundo o Executivo. Por exemplo, passou de menos cinco passou para 58 por cento o contributo total do PIB não petrolífero segundo o Vice-Presidente da República.

Fernando Dias dos Santos “Nandó” falava hoje na cerimónia de abertura da sessão de Ministros de África.

Apesar de reiterado entusiasmo por parte dos políticos, da teoria a prática é grande a distância. Este evento conta com a supervisão da Sociedade Civil que se mostra preocupada não só com as formas de tomadas de decisão e da própria condução das mesmas decisões.

Vieram a Luanda idos de vários países para escalpelizar ponto a ponto o cumprimento dos Acordos anteriormente assumidos pelos Executivos. Previam intervir na sessão plenária de ministros e ver reflectidos os seus pontos de vista no relatório final desta Conferência.

Por exemplo dez por cento dos respectivos Orçamentos dos Estados devia ser dedicado a agricultura. Esta foi uma decisão da conhecida reunião de Maputo. Mas poucos países puderam cumpri-la. A corrida pela posse da terra por parte de grupos empresariais começa a ser vista como ameaça aos interesses das comunidades locais.

As consequências da experiência da revolução verde no México e na Índia, modelo que se pretendia para o continente Africano começam a enfrentar resistências. O “side event” reúne 30 participantes representando África que regista a ausência da Nigéria, África do Sul e Zimbabwe. Desconhecem-se as razões.

Fontes

Public domain Esta notícia é uma transcrição parcial ou total da Agência Voice Of America (VOA).
Este texto tem licença de
Domínio Público.
Veja toda a licença e os termos de uso (copyright) na página da agência


Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati