Reajuste da gasolina e do diesel nas refinarias chega ao consumidor brasileiro

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Economia e negócios

Agência Brasil

30 de setembro de 2015

O aumento do combustível já chegou ao consumidor de São Paulo. A afirmação é de José Alberto Gouveia, presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do Estado de São Paulo (Sincopetro). Em entrevista à Agência Brasil, ele afirmou que o reajuste do combustível já é encontrado em alguns postos do estado, com valores entre R$ 0,17 e R$ 0,20.

“Em alguns postos já [subiu]. Quem recebeu o produto hoje, recebeu com aumento. Tem aumentos de R$ 0,17 [por litro] na nota de custo dele e de R$ 0,20 o preço do custo”, disse o presidente do sindicato.

“À meia-noite de ontem (29), a distribuidora parou o faturamento, acertou o preço novo e começou a faturar de novo. Então, quem recebeu o produto hoje já recebeu com preço novo. A partir de agora, qualquer dia é dia para aumentar, mas cada posto vai agir de um jeito, dependendo do estoque. Quem recebeu o produto, vai repassar o preço, porque não tem o que fazer”, acrescentou Gouveia.

Segundo ele, restará aos consumidores pesquisar preços. “O consumidor tem essa faca na mão [possibilidade de pagar mais barato] por mais uns dias. Mas o mercado, como um todo, vai reagir até sexta-feira (2).”

Ontem, a Petrobras anunciou reajustes nos preços da gasolina e do diesel nas refinarias a partir da 0h de hoje. O aumento para a gasolina é de 6% e, para o diesel, 4%.

Brasília

Em Brasília, os motoristas também já pagam mais caro para abastecer. Em alguns postos da cidade, o preço do litro de gasolina comum chega a R$ 3,59. Até semana passada, o preço médio do combustível no Distrito Federal (DF) era de R$ 3,50, conforme pesquisa da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

O diesel tinha tinha preço médio de R$ 2,88 o litro. Agora, em alguns postos, chega a R$ 2,99. O Sindicato de Postos de Combustíveis do DF não informou o índice médio de aumento, porque cabe a cada dono de posto definir o valor repassado ao consumidor.

Rio de Janeiro

Presidente interino do Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis Lubrificantes e Lojas de Conveniências do Município do Rio de Janeiro (Sindcomb), Manuel Fonseca da Costa disse que a entidade ainda não fez uma avaliação sobre o comportamento dos donos de postos de combustíveis sobre o reajuste de 6% nos preços da gasolina e de 4% para o diesel.

“No primeiro momento, ainda não temos um parâmetro. Não houve avaliação geral, porque tem revendedor que não recebeu o produto [com o preço reajustado].”

O presidente explicou que, diante da dificuldade do setor, será impossível não repassar o aumento para o consumidor. Adiantou que não deve ser feito tudo de uma só vez, porque alguns esperam algum tempo para aplicar o reajuste, como forma de atrair o cliente com preços mais baixos.

“Cada um vai fazendo com o seu de acordo. Um faz hoje, outro amanhã. Não será de uma pancada só. O consumidor ainda tem tempo de pesquisar o preço em um posto e em outro."

Para Manuel Fonseca da Costa, os revendedores não têm margem para absorver os reajustes sem transferir para o consumidor. “Está muito difícil. Eles não têm gordura nenhuma. Infelizmente, terão de cobrar do cliente. Seria bom [não repassar]. Quanto mais barato, mais se vende, mas está muito difícil, porque a despesa é grande. A margem ficou muito imprensada.”

O Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis Lubrificantes e Lojas de Conveniências do Estado do Rio de Janeiro (Sindestado-RJ) foi procurado pela Agência Brasil, mas a assessoria de imprensa não retornou a ligação.

Fonte

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati