Rádios comunitárias em Cabo Verde com dificuldades financeiras

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência VOA

13 de fevereiro de 2019

As rádios comunitárias de Cabo Verde navegam numa crise de sustentabilidade, e receia-se que possam servir para a manipulação.

Há indicações de que a maioria das rádios passa por dificuldades financeiras. Nalguns casos, a situação força a interrupção das emissões.

Neste Dia Mundial da Rádio, 13 de Fevereiro, a questão da sustentabilidade foi debatida, na capital, Praia, numa iniciativa da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura com a Direcção Geral da Comunicação.

José Candeias, responsável da Rádio Voz do Paul, na ilha de Santo Antão, diz que as dificuldades financeiras condicionam as rádios comunitárias de cumprir o principal papel (formar e informar) e muitas optam por animação musical.

Liberdade em risco[editar]

O coordenador da Rádio Comunitária da Ribeira Brava, na ilha de São Nicolau, Ary Tolentino, afirma que a estação tenta cumprir a missão, mas não havendo dinheiro não é tarefa fácil.

Por ser turno, o presidente da Associação dos Jornalistas não vê com bons olhos os apoios concedidos pelas câmaras municipais, já que isso pode condicionar a liberdade e espaço de acção dessas estruturas radiofónicas.

Carlos Santos diz que cabe ao governo criar mecanismos claros de incentivos e apoios, nomeadamente a abertura de um fundo, permitindo as rádios comunitárias a apresentarem projectos de financiamento.

Fontes[editar]

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati