Protestos de coletes amarelos são marcados por tumultos em cidades na França

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

16 de março de 2019

Vestindo os coletes amarelos pelos quais se tornaram conhecidos mundialmente, manifestantes franceses e imigrantes, que residem no país, voltaram hoje (16) às ruas de Paris (capital da França) e de outras cidades francesas. Este é o 18ª sábado desde o início das manifestações em novembro do ano passado. O movimento é heterogêneo e não tem um líder ou grupo à frente.

A lista de reivindicações é ampla, incluindo tanto questões de proteção ambiental, como a demanda por melhorias salariais. Além disso, há, entre os manifestantes, representantes de setores da extrema direita que defendem teses anti-europeias.

Vídeos compartilhados por internautas nas redes sociais com a hashtag Gilets Jaunes (Coletes Amarelos, em francês) exibem manifestações em diferentes pontos de Paris.

A maior concentração de coletes amarelos foi registrada na Avenida Champ-Élysées, onde lojas de griffe foram saqueadas, manifestantes e policiais entraram em confronto.

Em alguns dos vídeos, policiais usam jatos d´água e sprays para tentar dispersar os manifestantes, que queimaram pneus e o que encontraram de inflamável pelo caminho, além de lançar pedras e outros objetos contra as forças de segurança.

Segundo a Rádio França Internacional, as autoridades francesas estavam cientes de que ativistas ultrarradicais se infiltrariam nas manifestações, inclusive vindos do exterior. Pelo menos 5 mil policiais e seis carros blindados compõem o dispositivo de segurança na capital. Outras ações estão programadas em Bordeaux, Dijon, Caen e Montpellier.

Segundo o ministro do Interior, Christophe Castaner, o protesto de hoje conta com 7 mil a 8 mil manifestantes, sendo 1.500 ultra-violentos.

Ao menos outras duas marchas estão previstas para ocorrer em Paris hoje: a Marcha do Século pelo Clima, que cobra dos governantes soluções para tentar conter as mudanças climáticas e enfrentar suas consequências; e a chamada Marcha da Solidariedade, convocada para denunciar a violência policial e o "racismo de Estado".

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati