Protestos contra jornal francês se espalham por vários países

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

16 de janeiro de 2015

França

Muçulmanos de vários países protestaram, hoje (16), contra o jornal francês Charlie Hebdo, que acusam de blasfemar contra o Islã e ridicularizar o profeta Maomé. A sexta-feira é um dia sagrado de oração e descanso para o Islamismo. Na capital da Jordânia, Amã, o protesto acabou em confronto entre manifestantes e policiais. A polícia usou balas de borracha e cassetetes para dispersar a multidão que tentava chegar a embaixada da França, empunhando cartazes com a frase "insultar o profeta é o terrorismo global". Várias pessoas foram detidas.

Os protestos mais graves aconteceram na República do Níger, na África Ocidental. Em Zinder, a segunda principal cidade do país, perto da fronteira com a Nigéria, igrejas foram incendiadas, lojas invadidas e um centro cultural francês depredado por manifestantes. De acordo com as autoridades locais, pelo menos quatro pessoas morreram e 45 ficaram feridas durante as manifestações.

Na República Islâmica da Mauritânia, no Noroeste da África, milhares de pessoas caminharam a partir da grande mesquita de Nouakchott, com a presença do presidente Mohamed Ould Abdel Aziz. Em breve discurso, ele disse: "Eu sou muçulmano, somos todos muçulmanos. Nós lutamos contra o terrorismo no nosso próprio país e pagamos um preço elevado".

Em Dacar, capital do Senegal, a bandeira francesa foi queimada em frente à Embaixada de França por um grupo de manifestantes que gritava slogans em louvor de Maomé e contra o Charlie Hebdo. A polícia usou gás lacrimogênio para dispersar a multidão. Vários manifestantes criticaram o presidente Macky Sall por ter participado na marcha em Paris, no domingo, contra o "terrorismo".

Também houve protestos na Turquia, no Irã e no Paquistão, onde um fotógrafo da agência France Press, Asif Hassan, foi atingido por um tiro durante uma manifestação reprimida pela polícia da capital, Karachi. Levado ao hospital, Hassan foi submetido a uma cirurgia. Seu estado de saúde ainda não foi informado. Ao menos outras duas pessoas ficaram gravemente feridas.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati