Produção mundial de alimentos precisa aumentar 70% até 2050, alerta ONU

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

13 de outubro de 2009

O relator da Organização das Nações Unidas (ONU) para o Direito Humano à Alimentação Adequada, Olivier de Schutter, alertou hoje (13) que a produção mundial de alimentos precisa aumentar 70% até 2050 para suprir a demanda crescente.

“Temos que enfrentar a situação”, afirmou, ao participar do seminário Exigibilidade do Direito Humano à Alimentação Adequada e o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional, em Brasília. Durante a abertura do evento, ele lembrou que mais de 1 bilhão de pessoas em todo o mundo passam fome. “Isso é um recorde”, disse.

A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) calcula que apenas os países em desenvolvimento precisam investir anualmente US$ 44 bilhões em agricultura para alimentar sua população – calculada em 9 bilhões de pessoas até 2050. Atualmente, os investimentos são de US$ 7,9 bilhões.

Schutter destacou, entretanto, que o aumento da produção de alimentos representa apenas “parte da equação” que envolve a segurança alimentar. Para ele, a fome é uma questão “multifatorial”, que exige a inclusão de temas como cooperação internacional no debate, além de mecanismos que exijam dos governos não apenas a ampliação, mas o monitoramento da produção de alimentos.

O representante da FAO no Brasil, José Tubino, avaliou que o mundo tem “desafios gigantescos” provocados por “crises simultâneas que geram grande volatilidade da situação mundial”. Ele citou, como exemplo, as crises financeira e energética e perguntou se será mesmo possível continuar transportando alimentos “de um lado do planeta a outro”, como muitos países ainda fazem.

“É preciso pensar em como incentivar a produção de alimentos, em como reorganizar o mercado das commodities, na situação dos recursos naturais, sobretudo no Brasil e na América Latina, e em bioenergia”, ressaltou.

Para Tubino, o mundo terá que enfrentar “mudanças radicais”, inclusive provocadas pelas alterações climáticas. A grande pergunta, segundo ele, é se é possível continuar produzindo alimentos da mesma forma como é feito atualmente. O representante da FAO cobrou ainda a criação de uma aliança internacional contra a fome.

“Vamos ter a Cúpula Internacional da Alimentação, de 16 a 18 de outubro em Roma, e esperamos que os chefes de Estado tomem as decisões consideradas fundamentais para enfrentar a crise alimentar.”


Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati