Primeiro-ministro israelense se reúne com o presidente russo Putin

Fonte: Wikinotícias

7 de março de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Israel está se envolvendo nos esforços de mediação entre a Ucrânia e a Rússia em meio à guerra de Moscou contra a Ucrânia, agora em sua segunda semana.

O primeiro-ministro israelense Naftali Bennett conversou por telefone com o presidente russo, Vladimir Putin, no domingo, de acordo com reportagens da imprensa. A agência de notícias Reuters, citando uma leitura da ligação do Kremlin, disse que os dois líderes discutiram a "operação militar especial" da Rússia na Ucrânia durante a conversa.

A notícia da ligação veio um dia depois que Bennett viajou a Moscou para se encontrar com o líder russo. Bennett é o primeiro líder estrangeiro a conversar pessoalmente com Putin desde que a invasão da Ucrânia começou no final do mês passado.

Bennett, um judeu ortodoxo, fez a viagem no sábado judaico, quando viajar normalmente é proibido; no entanto, os rabinos em Israel disseram que era permitido violar o sábado para salvar uma vida.

Ao voltar para casa, Bennett explicou sua viagem ao Gabinete de Israel. Bennett disse que a situação não é boa e que há um grande sofrimento humano que pode piorar ainda mais. Ele disse que Israel continuará tentando ajudar, mesmo que as chances de progresso sejam pequenas.

Enquanto isso, em um discurso televisionado, o presidente ucraniano Volodymyr Zelenskyy agradeceu a Israel por seu apoio à Ucrânia, mas não mencionou a visita de Bennett à Rússia. Zelenskyy, que é judeu, disse que conversou no sábado com o presidente dos EUA, Joe Biden, e o fez várias vezes com Bennett.

Israel tem boas relações com a Rússia e a Ucrânia e começou a absorver milhares de refugiados judeus ucranianos. O governo israelense disse que está se preparando para dezenas de milhares mais.

Israel, no entanto, não ofereceu assistência militar à Ucrânia.

O Ministério das Relações Exteriores de Israel diz acreditar que cerca de 2.000 israelenses permanecem na Ucrânia e que o governo israelense está trabalhando para tirá-los.

Fontes