Primeiro-ministro do Paquistão pede fim pacífico à crise na Ucrânia

Fonte: Wikinotícias

23 de fevereiro de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Imran Khan em 2012

O primeiro-ministro do Paquistão, Imran Khan, deve viajar para a Rússia na quarta-feira para se encontrar com o presidente Vladimir Putin, enquanto o Ocidente condena o líder russo pelo aprofundamento da crise na Ucrânia.

O Ministério das Relações Exteriores do Paquistão disse que Putin e Khan "vai revisar toda a gama" de relações entre os dois países, incluindo a cooperação energética.

“Eles também terão uma ampla troca de pontos de vista sobre grandes questões regionais e internacionais, incluindo a islamofobia e a situação no Afeganistão"=”, acrescentou o comunicado.

A agência de notícias oficial russa TASS citou o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, dizendo a repórteres na terça-feira que a reunião de Putin com Khan “está marcada para quinta-feira.”

Autoridades em Islamabad sustentam que a viagem de dois dias de Khan, a primeira visita desse tipo a Moscou por um primeiro-ministro paquistanês em 23 anos, ocorreu a convite do presidente Putin e foi planejada antes do impasse na Ucrânia. Khan será o primeiro líder estrangeiro a visitar Moscou desde que Putin reconheceu a independência das repúblicas separatistas da Ucrânia de Donetsk e Luhansk.

Falando ao canal RT, controlado pelo Estado russo, na terça-feira, Khan rejeitou sugestões de que sua visita tenha algo a ver com a política global na esteira das crescentes tensões da Rússia com a Europa e os Estados Unidos sobre a Ucrânia.

“Esta [crise da Ucrânia] não nos diz respeito. Temos uma relação bilateral com a Rússia e realmente queremos fortalecê-la”, disse Khan.

“Agora, o que queremos fazer não é fazer parte de nenhum bloco. Queremos ter relações comerciais com todos os países”, disse o líder paquistanês.

Khan continuou dizendo que espera que a crise na Ucrânia seja resolvida pacificamente.

Mapa

"Não acredito que conflitos militares resolvam problemas. Os países que dependem de um conflito militar não estudaram a história adequadamente", argumentou Khan. "O mundo em desenvolvimento realmente deseja que não haja outra Guerra Fria."

O líder paquistanês disse que os preços internacionais do petróleo já subiram acentuadamente por causa da perspectiva de um conflito Rússia-Ucrânia e que isso teria "enormes repercussões" no mundo em desenvolvimento. Khan também observou que tanto a Ucrânia quanto a Rússia estão entre os principais fornecedores de trigo para o mundo.

Enquanto isso, tanques russos invadiram o leste da Ucrânia na terça-feira, aparentemente no que o Kremlin chama de "missão de paz" para proteger as duas repúblicas separatistas que Moscou formou há oito anos e agora está formalmente reconhecendo como estados independentes.

Paquistão e Rússia já foram adversários amargos, já que Islamabad se alinhou estreitamente com os Estados Unidos durante a Guerra Fria.

A agência de inteligência paquistanesa trabalhou em estreita colaboração com a CIA americana no armamento e treinamento de combatentes afegãos para encerrar com sucesso uma década de ocupação russa do vizinho Afeganistão em 1989.

Islamabad e Moscou, no entanto, restabeleceram os laços nos últimos anos, com ambos realizando rotineiramente exercícios militares conjuntos e tentando desenvolver cooperação energética para ajudar o Paquistão a superar a escassez.

Enquanto isso, os laços do Paquistão com Washington se deterioraram devido às alegações de que o maior aliado não-OTAN do sul da Ásia ajudou secretamente o Talibã islâmico a travar uma insurgência mortal contra as forças internacionais lideradas pelos EUA no Afeganistão. O Talibã recuperou o poder em agosto passado.

Islamabad nega as acusações e culpa o que diz ter sido uma política militar falha dos EUA ao lidar com o conflito afegão que acabou levando a uma retirada caótica de tropas internacionais do país vizinho em agosto, após 20 anos.

Autoridades russas e paquistanesas reconhecem que seus esforços para aprofundar a cooperação econômica bilateral enfrentam vários desafios. Várias grandes empresas russas estão sob sanções dos EUA e incapazes de investir no Paquistão.

Críticos dizem que uma cooperação bilateral significativa em defesa também enfrenta obstáculos, como os laços de longa data da Rússia com a Índia, grande rival do Paquistão, um grande importador de equipamentos militares russos. Eles dizem que Moscou não quer perturbar Nova Délhi oferecendo grandes acordos relacionados à defesa ou, nesse caso, econômicos a Islamabad.

O combate ao terrorismo regional e ao fluxo de narcóticos do Afeganistão parece ser o que está impulsionando principalmente o envolvimento diplomático da Rússia com o Paquistão, segundo analistas.

O Paquistão também desenvolveu estreitos laços econômicos e militares com a Ucrânia nos últimos anos e é um grande importador de trigo ucraniano.

Fontes