Previsão de queda da economia neste ano é mantida em 0,50%

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

Brasil • 6 de julho de 2009

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Analistas do mercado financeiro consultados pelo Banco Central do Brasil mantiveram a previsão de queda 0,50% do Produto Interno Bruto (PIB), soma de bens e serviços produzidos no país, neste ano.

Há quatro semanas, a expectativa de retração era maior: 0,71%. As projeções dos analistas são divulgadas todas as semanas no boletim Focus, elaborado pelo Banco Central (BC).

Para 2010, a expectativa é de recuperação da economia com crescimento do PIB de 3,5%, a mesma projeção há 18 semanas.

Para a produção industrial, os analistas projetam retração de 5,37% e não mais de 5,04%. Em 2010,o cenário se reverte com crescimento da produção industrial de 4,03%, projeção um pouco menor do que da semana anterior: 4,05%.

A projeção para a relação entre dívida líquida do setor público e PIB subiu de 39,95% para 40,40% neste ano. Para 2010, a previsão passa de 38,40% para 39,19%. Quanto menor a relação entre dívida e PIB, maior é a confiança do investidor de que o país é capaz de honrar seus compromissos.

O dólar deve chegar ao final de 2009 valendo R$ 1,99 e não mais R$ 2 previstos no boletim anterior. Ao final de 2010, a moeda americana deve custar R$ 2, a mesma estimativa anterior.

A projeção para o superávit comercial (saldo positivo de exportações menos importações) passou de US$ 21,5 bilhões para US$22 bilhões. Para 2010, a expectativa foi ajustada de US$ 18 bilhões para US$ 19,5 bilhões.

Para o déficit em transações correntes (registro das compras e vendas de mercadorias e serviços do Brasil com o exterior), a projeção foi ajustada de US$ 16,2 bilhões para US$16 bilhões neste ano e mantida de US$ 22 bilhões em 2010.

A estimativa para o investimento estrangeiro direto (recursos que vão para o setor produtivo do país) foi mantida em US$ 25 bilhões neste ano. Para 2010, a projeção de entrada desses recursos subiu de US$ 25,5 bilhões para US$ 26 bilhões.

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit