Prevenção de desastres climáticos é tema de discussão no Rio de Janeiro

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

13 de novembro de 2014

Brasil

A Rede de Controle da Gestão Pública realiza hoje (13), durante todo o dia, um seminário para discutir ações de prevenção e assistência em casos desastres climáticos no estado do Rio de Janeiro, principalmente na Região Serrana, uma das mais afetadas nos últimos anos pelas catástrofes. O encontro reúne gestores das três esferas de poder (município, estado e União), além de representantes de institutos ligados ao meio ambiente.

O ministro do Tribunal de Contas da União, Raimundo Carreiro, lista como maiores desafios o mapeamento de regiões suscetíveis aos impactos ambientais, a elaboração de planos para redução de riscos e situações de contingência e o impedimento de construções em áreas vulneráveis a desastres.

“Depois que chega escola, comércio e trasporte, por exemplo, fica mais difícil tirar as pessoas de regiões impróprias para o assentamento. É necessário fiscalizar essas áreas para coibir as edificações irregulares. Pretendemos, junto a isso, certamente, dar ênfase a novas diretrizes urbanísticas e programas habitacionais para realocar essas pessoas. Para isso, precisamos de diálogo e parceria com diversos órgãos”, acrescentou.

O secretário Nacional de Proteção e Defesa Civil, Adriano Pereira Júnior, ressalta a necessidade de uma legislação para obras de emergência. “Nós facilitamos a liberação do crédito, mas depois fazemos todas as exigências como se fosse uma obra padrão. É diferente a ponte que foi construída para melhorar a mobilidade na área daquela que foi derrubada e a população precisa hoje”, afirmou.

O estado do Rio de Janeiro registra o pior desastre natural da história do Brasil em número de vítimas, ocorrido em janeiro de 2011, na região serrana. A catástrofe ocorreu devido a um forte temporal de aproximadamente quatro horas que, com a ajuda de uma combinação de fatores meteorológicos, causou a morte de 918 pessoas, a maioria entre os municípios de Nova Friburgo, Teresópolis e Petrópolis.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati