Presidente do STJ manobra para evitar que PMDB tenha candidato a Presidente da República

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

19 de março de 2006

Brasil

O Presidente do Supremo Tribunal de Justiça (STJ) Ministro Edson Vidigal manobra para evitar que o PMDB escolha o seu candidato a Presidente da República do Brasil.

A idéia é fazer com que o PMDB não tenha candidato e apóie a candidatura para a re-eleição do Presidente Luiz Inácio Lula da Silva do Partido dos Trabalhadores (PT). Em troca, o PMDB teria apoio para disputar eleições regionais e cargos no governo.

O PMDB deveria realizar neste domingo (19) as prévias para escolher o candidato do partido para a Presidência da República. Parte do PMDB que aliou-se ao partido do governo (PT) entrou com uma liminar na Justiça para evitar que ocorresse a realização das prévias. A liminar foi concedida na quinta-feira pelo Presidente do STJ, Ministro Edson Vidigal.

A direção do PMDB recorreu e obteve na sexta-feira à noite uma liminar concedida pelo Ministro Hamilton Carvalhido que autorizava as prévias.

Neste interím, o Ministro Edson Vidigal viajou para a cidade de Imperatriz, no Maranhão, para o lançamento de sua candidatura a governador do estado, com o apoio do PT.

Depois que tomou conhecimento de que a liminar que proibía as prévia do PMDB fôra revogada, Vidigal viajou para Brasília. Vidigal esperou e por volta das 23h do sábado restabeleceu a sua liminar que proíbe as prévias do PMDB. Como a ação ocorreu no final da noite do sábado, a direção do PMDB ficou impedida de recorrer novamente.

Apesar da decisão do Presidente do STJ, o PMDB resolveu escolher o seu candidato a Presidente como uma consulta informal.

As ações do Presidente do STJ e da ala governista do PMDB revoltaram a ala do partido que defende o lançamento de um candidato próprio para a próxima eleição para Presidente.

Fontes