Presidente do Peru espera unir forças no Congresso para evitar impeachment

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.

19 de março de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Após a aprovação na última segunda-feira do processo de impeachment do presidente do Peru, Pedro Castillo, pelo Congresso, parece que o destino dos líderes daquele país está traçado.

“Oito meses depois de tomar posse como presidente do Peru, Pedro Castillo, que foi o arquiteto de uma série de manifestações que colocaram o presidente Martín Vizcarra contra a parede em 2020, hoje enfrenta uma crise de governança igual ou pior do que o seu antecessor”, diz Matías Alejandro Franchini, professor de Relações Exteriores da Universidad del Rosario, em Bogotá.

“É normal que isso aconteça em uma nação onde sua democracia permite que o presidente dissolva o Congresso e o Congresso remova o presidente de maneira relativamente fácil”, explicou.

Somam-se a esse problema para Castillo as denúncias de corrupção envolvendo-o em um incidente denunciado pela empresária Karelim López, que o acusou de liderar um cartel que solicitava presentes de empreiteiros que executavam projetos premiados pelos Ministérios dos Transportes e Comunicações.

O especialista sustentou que também é evidente que não há uma agenda de reformas, que é o que a população está exigindo e que poderia alimentar o julgamento de impeachment contra Castillo no Congresso.

No entanto, Cynthia Sanborn, cientista política e pesquisadora do think tank Woodrow Wilson de Washington, disse que não acha que eles vão conseguir ainda.

“Não acho que a oposição tenha os votos necessários para tirá-lo”, disse ele.

Ela lembrou que “se você olhar para o tipo de coalizão de impeachment que votou positivamente pelo impeachment, há um grupo linha-dura que imita Donald Trump e seus apoiadores.”

Ela ressaltou que eles declararam que “a eleição foi ilegítima” e continuam argumentando que foi fraudulenta, e assim como nos Estados Unidos não há evidências de que a eleição de Castillo tenha sido fraudulenta.

Mas a analista alertou que há pessoas no centro extremamente insatisfeitas com diversas coisas, especialmente a ineficiência e improvisação do governo e o descumprimento de promessas do presidente Castillo, e isso pode impulsionar o julgamento.

Fontes

{{VOA]]