Presidente do Parlamento suíço celebra no Brasil 200 anos de imigração

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

12 de maio de 2018

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

O presidente do Parlamento Suíço, Dominique de Buman, chegará amanha ao Brasil para uma visita de quatro dias. Ele visitará Nova Friburgo (RJ), cidade que comemorará 200 anos da imigração suíça no Brasil, conhecida como "Suíça brasileira".

Dominique de Buman, que ocupa o maior cargo público da Suíça, visitará também Cantagalo e Duas Barras, municípios que fazem parte da colônia de imigrantes suíços. O presidente estará acompanhado de 15 parlamentares e 160 cidadãos suíços, além do embaixador da Suíça no Brasil, Andrea Semadeni, e do cônsul-geral suíço no Rio de Janeiro, Rudolf Wyss.

Os suíços deixaram a Europa no momento em que havia uma grande crise econômica, desemprego e fome em todo o continente europeu. Os primeiros imigrantes suíços chegaram entre 1819 e 1820, provenientes do cantão de Friburgo, beneficiados por um decreto de Dom João VI. O decreto previa a vinda ao país de 100 famílias, “mas, na prática, vieram 430 famílias”, disse à Agência Brasil o presidente da Colônia Suíça em Nova Friburgo, Geraldo Thurler.

A viagem era longa. O navio mais rápido chegou nas terras brasileiras depois de 55 dias. Um quarto dos colonos morreu durante a travessia. “De 2.006 pessoas, chegaram 1.600”, conta Thurler. Os primeiros colonos chegaram na região de Nova Friburgo no dia 16 de novembro de 1819. Assim que chegaram, os suíços batizaram a região em que passaram a habitar de Nova Friburgo.

A colonização se expandiu para municípios vizinhos, como Cantagalo, Duas Barras e Santa Maria Madalena. Geraldo Thurler destacou que nessa caravana de imigrantes vieram profissionais, como carpinteiros, queijeiros, ferreiros, que contribuíram para o desenvolvimento local. “Trouxeram a 'expertise' da mão de obra suíça para cá. A partir daí, houve uma adaptação deles à realidade local”.

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit