Presidente do Brasil faz discurso otimista sobre o país

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

2 de junho de 2005

Brasil

O Presidente do Brasil Luiz Inácio Lula da Silva abriu  o Salão do Turismo - Roteiros do Brasil, nesta quarta-feira, 1 de junho,  em São Paulo. 

Durante o evento o Presidente fez alguns comentários sobre a atual situação política e econômica do país:

Tem gente que acorda tão azedo de manhã que dá para fazer limonada com seu suor. Tem gente que é muito negativa, que não acredita nas coisas. Escuta o que eu estou dizendo sem ser economista. É verdade que houve uma retração agora, é verdade, mas nós estamos crescendo há oito trimestres consecutivos, coisa que fazia dez anos que não acontecia no Brasil. Tivemos que fazer uma sacrifício muito grande para poder controlar a inflação

O Presidente se referiu ao resultado divulgado ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) que o PIB cresceu 0,3% nos primeiros três meses deste ano em comparação com o último trimestre de 2004, e que foi a menor taxa de crescimento registrada, desde o segundo trimestre de 2003 (0,1%).

Lula disse que não pretende adotar medidas populistas para vencer a próxima eleição:"Não esperem de mim nenhuma medida populista porque vai ter eleição daqui um ano e meio". Ele ainda acrescentou:

Nós vamos fazer tudo que tivermos que fazer, independentemente do calendário eleitoral. Este país não vai retroceder. Nós já tivemos experiências demais nesse país. Tem gente que entra e brinca com esse país porque faz experiência. Chega perto da eleição, muda a regra do jogo. Ganha a eleição, desmuda (sic) a regra do jogo. Nós não vamos fazer isso.

Em discurso realizado ontem no Senado Federal o senador Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA) chamou de "otimismo panglossiano" o tom das declarações dadas pelo Presidente Lula em seus pronunciamentos. O termo "panglossiano" é uma referência ao personagem criado por Voltaire, Dr. Pangloss, para quem tudo vai bem, no melhor dos mundos.

Para ele, tudo vai bem, e ainda vai ficar melhor. Não é isso que o povo pensa, nem é isso que as pesquisas dizem. O presidente está alegre, mesmo com a situação terrível que o país atravessa. Não entendo o motivo dessa alegria, a não ser que só cheguem aos seus ouvidos notícias que não correspondem à verdade, disse o senador baiano.

Fontes