Presidente deposto retorna a Honduras e se refugia em embaixada brasileira

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Aristóteles
Outras notícias sobre política


Agência Brasil

21 de setembro de 2009

Quase três meses após ter sido deposto do cargo, o presidente de Honduras, Manuel Zelaya, conseguiu retornar ao seu país, onde buscou refúgio na embaixada brasileira, já que corre o risco de ser detido devido à ordem de prisão expedida contra ele.

Uma funcionária da embaixada brasileira em Tegucigalpa confirmou há pouco, à Agência Brasil, que Zelaya chegou à embaixada hoje (21) cedo, acompanhado por integrantes da comitiva que o tem acompanhado desde que militares o detiveram e o obrigaram a deixar o país. Segundo a mesma funcionária, manifestantes pró-Zelaya estão reunidos diante da embaixada, sem qualquer registro de tumultos até o momento.

Em Nova Iorque, o ministro das relações exteriores, Celso Amorim, disse à TV Brasil que a ida de Zelaya não foi negociada. Quem solicitou o abrigo foi a mulher do presidente deposto.

Segundo Amorim, o presidente hondurenho chegou à embaixada por meios próprios, pelas montanhas. O subsecretário para América Latina do Itamaraty, Ênio Cordeiro, autorizou a entrada na embaixada. O chanceler brasileiro espera que a Organização dos Estados Americanos (OEA) dê apoio à atitude do Brasil e não teme pela segurança da embaixada brasileira em Tegucigalpa.

Em entrevista à rede de TV Telesur, Zelaya agradeceu o apoio do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e afirmou que o secretário-geral da OEA, José Miguel Insulza, chegará à capital do país amanhã (22) para tentar mediar uma solução para o impasse político no país.

De acordo com a BBC Brasil, assessores de Zelaya teriam afirmado que a operação que permitiu sua volta teria sido realizada com a ajuda da Organização das Nações Unidas (ONU). O governo interino de Honduras, no entanto, nega que Zelaya esteja no país.


Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati