Presidente afegão critica Estados Unidos após massacre de 16 pessoas

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

16 de março de 2012

Afeganistão — O presidente do Afeganistão, Hamid Karzai, acusou os Estados Unidos de não estarem cooperando nas investigações em torno do massacre cometido por um soldado norte-americano no último domingo (11). Ele invadiu casas de civis em um vilarejo e matou 16 pessoas, entre elas nove crianças e três mulheres.

O líder afegão falou sobre o assunto depois de um encontro com famílias das vítimas. Alguns disseram que mais de um soldado esteve envolvido no massacre.

Até o momento, o último desdobramento do caso foi a transferência do soldado suspeito para o Kuwait, onde está abrigado em base americana de onde deve ser repatriado aos Estados Unidos, para enfrentar julgamento em uma corte militar.

Ontem (15), Karzai pediu que as tropas norte-americanas deixassem as áreas rurais do país e retornassem às suas bases. O Talibã também se pronunciou, suspendendo todas as negociações com Washington, e prometeu vingar as mortes.

Também ontem, Karzai reuniu-se com o secretário da Defesa norte-americano, Leon Panetta, e alertou que as tropas afegãs devem tomar o controle da segurança nacional já em 2013.

Pouco após a chegada de Panetta ao país, em uma visita surpresa, um carro dirigido por um civil afegão invadiu uma das pistas na Base Aérea de Camp Bastion, onde estava o avião que transportou o chefe do Pentágono. Após bater em uma barreira, o carro explodiu. Há relatos de que o motorista morreu horas depois do acidente. Entre os norte-americanos, não houve feridos.

Segurança[editar]

O advogado de defesa do soldado americano que matou 16 civis afegãos disse hoje (16) que o militar teme por sua segurança e a de sua família, nos Estados Unidos.

John Henry Browne, um conhecido advogado de defesa de Seattle, disse que o soldado havia visto um colega perder a perna em uma explosão um dia antes de ter o colapso. Disse também que o militar havia se ferido enquanto servia no Iraque e não queria ter sido enviado para combater no Afeganistão.

Histórico[editar]

O soldado, cuja identidade não foi revelada, saiu da base americana na província de Kandahah para vilarejo, onde disparou indiscriminadamente contra civis afegãos na semana passada, depois de um aparente colapso nervoso. O caso gerou reações no Afeganistão e no mundo.

Apesar de pedidos de afegãos para que o soldado fosse julgado no país, o militar foi enviado ao Kuwait, onde está abrigado em uma base americana.

Fontes[editar]

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati