Prefeito de Kiev: Ucrânia é 'chave para a liberdade no mundo'

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.

26 de maio de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Chamando a Ucrânia de “chave para a liberdade no mundo”, o prefeito de Kiev, Vitali Klitschko, pediu apoio na quinta-feira para seu país diante do que chamou de “essa guerra sem sentido” com a Rússia.

Falando no Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça, Klitschko disse que a Ucrânia é um país pacífico que não foi agressivo com ninguém, e que os ucranianos querem ser “parte da família europeia” com prioridade em direitos humanos, liberdade de imprensa e “democracia democrática”. padrões de vida”.

Ele disse que o governo russo quer reconstruir a União Soviética e não pararia com a aquisição da Ucrânia.

“Estamos defendendo não apenas nossa família e nossos filhos, estamos defendendo vocês porque temos os mesmos valores”, disse Klitschko, acrescentando que a Rússia irá até onde for permitido.

Ele agradeceu aqueles que apoiaram a Ucrânia politicamente, economicamente e enviando armas, e aqueles que acolheram refugiados ucranianos.

Observando que já se passaram mais de 90 dias desde que a Rússia lançou sua invasão da Ucrânia, Klitschko disse que se sente como “um longo, longo dia.”

Também falando na quinta-feira em Davos, o chanceler alemão Olaf Scholz disse que o presidente russo Vladimir Putin “não deve vencer sua guerra, e estou convencido de que ele não vencerá”.

Scholz disse que Putin provavelmente só negociará seriamente com a Ucrânia se aceitar que a Rússia não pode vencer, algo que torna essencial o apoio ocidental à Ucrânia.

Ele também disse que a Rússia não deveria ter permissão para ditar os termos de um acordo de paz.

“A Ucrânia não aceitará isso, e nós também não”, disse Scholz.

Em um discurso na noite de quarta-feira, o presidente ucraniano Volodymyr Zelenskyy rejeitou a ideia de ceder partes da Ucrânia à Rússia por causa de um acordo de paz.

Zelenskyy disse que aqueles que fazem tais sugestões desconsideram “os milhões de pessoas que realmente vivem no território que propõem trocar por uma ilusão de paz”.

“Sempre temos que pensar nas pessoas e lembrar que valores não são apenas palavras”, disse ele.

Os combates nas últimas semanas têm se concentrado na região leste de Donbas, onde a Rússia vem tentando assumir o controle depois de não conseguir derrubar Zelenskyy ou capturar Kiev.

O governador ucraniano da região leste de Luhansk, Serhiy Haidai, descreveu a situação em torno do centro industrial de Severodonetsk como “muito difícil” e disse que “já havia combates nos arredores”.

“As tropas russas avançaram o suficiente para que já possam disparar morteiros” contra a cidade, disse ele.

Na Rússia, o presidente Vladimir Putin emitiu uma ordem que aceleraria a cidadania russa para pessoas que vivem em Kherson e Zaporizhzhia. Já existe um programa para acelerar a cidadania para as pessoas que vivem em Donbas.

Enquanto isso, a União Europeia, a Grã-Bretanha e os Estados Unidos anunciaram a criação do que chamaram de Grupo Consultivo de Crimes de Atrocidade para coordenar com a Ucrânia investigações de possíveis crimes de guerra russos durante os três meses de combate.

Fontes