Próxima assembleia da OEA pode marcar volta de Cuba à organização

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.

Agência Brasil

12 de maio de 2009

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

No que depender da disposição do governo hondurenho, a próxima Assembleia Geral da Organização dos Estados Americanos (OEA) será um marco na transformação das relações continentais. E poderá marcar o retorno de Cuba – expulsa em 1962, após a revolução, a ilha é o único país americano que não integra a organização.

"A Assembleia da OEA deve superar e consolidar o diálogo de Trinidad e Tobago [durante a Cúpula das Américas, em abril], sobretudo quanto à necessidade de encontrar caminhos em direção a um melhor entendimento continental e deixar para os piores momentos do continente os temas que excluíram um país irmão de um conclave continental: Cuba”, afirmou ontem (11), em Brasília, a ministra das Relações Exteriores de Honduras, Patrícia Isabel Rodas, após encontro com o chanceler Celso Amorim.

Patrícia Rodas veio justamente trocar “impressões e opiniões” sobre a 39ª Assembleia Geral da OEA, que será realizada na cidade hondurenha de São Pedro Sula, Honduras, nos dias 2 e 3 de junho.

“Chegamos à conclusão de que é o momento de construir o futuro e, para isso, estamos fortalecendo e intensificando o diálogo político entre nossos povos e destruindo o lastro do passado para não estarmos condenados a seguir arrastando correntes como fantasmas que já não são úteis, que não servem ao continente e ao desenvolvimento de nossos povos”, reiterou a ministra, referindo-se ao embargo imposto pelos Estados Unidos a Cuba há quase 50 anos.

Segundo a chanceler de Honduras, a questão de Cuba está “funcionalmente resolvida”, uma vez que todos os países do continente – menos os Estados Unidos – mantêm relações comerciais, diplomáticas e de cooperação consolidadas com a ilha.

Apesar da disposição de reintegrar Cuba à OEA, durante a cúpula da Costa do Sauípe, em dezembro passado, o presidente cubano, Raúl Castro, disse que seu país não tem interesse em retornar à organização e chegou a propor a criação de uma nova instituição representativa da região. “Não podemos, com ou sem americanos, ingressar na OEA. Essa sigla deve desaparecer. Respeitamos vocês que seguem pertencendo à OEA, mas nós pertenceremos ao Grupo do Rio”, disse Castro na cerimônia de adesão de Cuba ao Grupo do Rio.



Fontes