Prêmio destaca luta de mulheres por igualdade de direitos

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

16 de dezembro de 2014

Brasil

Ainda na juventude Herilda Balduíno já se inquietava com o tratamento diferenciado recebido por homens e mulheres e decidiu que lutaria para mudar essa realidade. Nascida em Patos de Minas, em 1931, formou-se em direito, em 1959. Na área do direito de família, buscou modificar a forma com as mulheres eram vistas dentro da relação familiar.

Herilda é uma das seis mulheres com atuação destacada na vida pública nacional que receberam hoje (16) o Prêmio Rose Marie Muraro – Mulheres Feministas Históricas, da Secretaria de Políticas para as Mulheres.

“Desde pequena, fui muito rebelde e achava muito esquisito a mulher dentro de casa sendo mandada, lavando, passando, cozinhando. Quando fui estudar no ginásio, o curso era misto e vi que queria ter direitos iguais aos dos meninos. Nessa fase eu já era politizada e vi que isso teria que mudar a partir de uma mudança jurídico-política”, relata.

Ao longo de 25 anos de advocacia, Herilda Balduíno também trabalhou em prol dos perseguidos e presos políticos durante o período da ditadura militar. Foi também advogada da Comissão Pastoral da Terra e da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

“A partir da metade do século 20, as mulheres pegaram à unha o direito de fazer sua história. E fizemos, e conquistamos, e ganhamos e hoje temos essa realidade”, avalia Herilda.

O prêmio entregue hoje reconhece a contribuição efetiva das mulheres idosas para a construção de um país com igualdade de gênero e busca recuperar, registrar e reconhecer as brasileiras que influenciaram na construção da cidadania feminina e na ampliação dos direitos humanos das mulheres.

A militante política Clara Charf também foi premiada. Integrante do Partido Comunista Brasileiro (PCB), ela foi companheiro de Carlos Marighella – morto em 1969 pela ditadura – e viveu na clandestinidade em vários momentos durante o regime militar. Em 2003, Clara fundou a Associação Mulheres pela Paz.

“Fico pensando o quanto a gente avançou daquela época para agora – tem muita gente que não sabe o quanto se lutou no Brasil para chegar aonde chegamos hoje e ter uma mulher na Presidência da República. Tem mulheres no campo, na cidade, em todo lugar, lutando para transformar a vida da família e do país”, disse Clara na cerimônia de entrega do prêmio.

Reconhecida por sua contribuição para a luta feminista e pela especialização em educação popular, Moema Viezzer, de 76 anos, também foi premiada. Moema engajou-se na causa das mulheres, foi exilada durante a ditadura militar e criou a Rede Mulher de Educação, em São Paulo. “Esse prêmio é uma forma de trazer à tona toda uma carga histórica que tem o movimento [feminista]. Cada uma teve uma forma de contribuir e de atuar em prol da equidade entre homens e mulheres”, disse ela. “Fiz um trabalho de educação popular feminista. Trabalhávamos sobretudo com as populações mais pobres.”

As demais premiadas foram Lenira Maria de Carvalho, Mireya Soárez e Neuma Aguiar. O nome do prêmio homenageia a escritora feminista Rose Marie Muraro, declarada patrona do feminismo nacional em 2005. A ministra Eleonora Menicucci, da Secretaria de Políticas para as Mulheres, destacou a importância de Rose Mare, falecida neste ano, e parabenizou as premiadas. “A história de Rose fez, e fará muito, por nós. E cada uma de vocês tem uma história de contribuição para a sociedade”, afirmou.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati