Portugal muda a lei em que considera o sexo sem consentimento como crime de violação

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

20 Minutos

11 de janeiro de 2019

A Assembleia da República (o Parlamento Português) já emendou por unanimidade esta sexta-feira, a lei para ampliar a definição de violação (ou estupro), a fim de cobrir todo o sexo sem consentimento, juntando-se sete outros países europeus que já têm uma tal definição.

Os deputados e ativistas em Portugal argumentavam que a lei, que anteriormente exigia que os promotores demostraram que o ataque tinha havido "violência", não protegia as pessoas atacadas enquanto estavam inconscientes ou eram coagidas a ter sexo contra a sua vontade.

A emenda visa adequar a legislação portuguesa à Convenção de Istambul, um tratado internacional para a prevenção e a luta contra a violência contra as mulheres. A Convenção foi ratificada pelo Governo luso em 2012 e já está em vigor desde 2014, mas era criticado, pois que as autoridades não a haviam incorporado pletamente à lei.

Em setembro de 2018, um tribunal do Porto setenciou que dois homens que tiveram sexo com uma jovem de 26 anos inconsciente não eram culpados de violação (estupro) porque o incidente foi uma "sedução mútua".

"Os crimes de natureza sexual e a violação (em Portugal) estão baseadas na existência ou não da violência e queremos que se inclua na existência ou não de consentimento", explicou André Silva, um dos deputados que propuseram a emenda, em declarações para a rádio emissora TSF.

O artigo 36 da Convenção de Istambul estipula que as autoridades deveriam adoptar todas as medidas necessárias para garantir que o sexo não consentido seja tratado sempre como um crime. Portugal segue assim os passos da Bélgica, Chipre, Reino Unido, Alemanha, Islândia, Irlanda e Luxemburgo, que haviam aprovado leis neste mesmo sentido.

Segundo a Amnistia Internacional, uma em cada dez mulheres na União Europeia (UE) experimentou algum tipo de violência sexual depois dos 15 anos. "As leis sobre a violação em vigor não resolvem tudo, mas são um passo importante para uma mudança de atitudes e que se faça justiça, deixando claro que o sexo sem o consentimento é violação e não pode seguir com impunidade", argumentou a ONG.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati