Por que o chavismo ataca as primárias da oposição na Venezuela e sua cifra de 2,4 milhões de eleitores?

Fonte: Wikinotícias
Maria Corina Machado

26 de outubro de 2023

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

O partido no poder venezuelano está critacando os resultados das primárias presidenciais da oposição no passado domingo, alertam os especialistas.

Procuram a desqualificação da candidata vencedora, María Corina Machado, e desacreditar o número de participação no processo que, segundo os seus organizadores, foi de pelo menos 2,4 milhões de eleitores, afirmam.

Altos líderes do chavismo, como o presidente Nicolás Maduro, sua esposa Cilia Flores, o deputado Diosdado Cabello e o delegado-chefe para as negociações Jorge Rodríguez, entre outros, denunciaram esta semana “fraude” devido a supostas irregularidades na votação autogerida pelo oposição para escolher o seu candidato para as eleições presidenciais de 2024.

Esta quarta-feira, o procurador-geral venezuelano e ex-governador do chavismo, Tarek William Saab, anunciou uma investigação criminal contra os diretores da Comissão Nacional Primária pela suposta prática de crimes de “usurpação de funções eleitorais, usurpação de identidade, lavagem de dinheiro e associação criminosa”.

Para Saab, o votação foi “um ato bufo”. Para a oposição, a votação superou as expectativas, atingindo 2,4 milhões de eleitores, com mais de 92% dos votos a favor de Machado.

Fontes