Políticos brasileiros lamentam morte de Mercedes Sosa e ressaltam legado de luta

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

5 de outubro de 2009

Brasil

A morte da cantora argentina Mercedes Sosa, aos 74 anos, em decorrência de uma disfunção renal que afetou também o coração e os pulmões, foi recebida com pesar por políticos brasileiros que admiravam o engajamento da artista, militante ativa contra a ditadura militar argentina nos anos 70 e 80.

Em mais de cinco décadas de trajetória profissional, Mercedes, conhecida como “La Negra”, consolidou-se como uma das mais importante vozes de protesto da América Latina. Na década de 70, censurada e perseguida, seus discos carregados de conteúdo social se transformaram em referência contra o regime militar.

“Fiquei muito triste com a notícia da morte dela. Foi uma lutadora pelos direitos humanos, pela democracia e símbolo de uma geração de presos políticos muito sofrida”, afirmou o deputado federal José Genoíno (PT-SP), ex-preso político durante a ditadura militar brasileira.

Segundo Genoíno, Mercedes também simbolizava, com o seu discurso e sua defesa de bandeiras de sobrevivência, “o ideal de integração do continente que hoje está virando realidade”. O parlamentar ressaltou que a cantora “deixa um legado forte para o continente no que diz respeito à integração e à luta pela democracia.”

O senador Eduardo Suplicy (PT- SP) lembrou que nas visitas da cantora ao Brasil, as músicas dela despertavam enorme interesse. Mercedes também interagiu com grandes artistas nacionais como Milton Nascimento e Caetano Veloso. Uma das canções da argentina, Gracias a la Vida, marcou o parlamentar.

“Ela [Mercedes] teve uma importância muito grande como cantora e compositora que mais expressou os sentimentos de liberdade, justiça e confraternização dos povos latino-americanos” disse Suplicy. “Ela recebe uma justa homenagem de todo o povo argentino”, acrescentou.

O corpo da cantora está sendo velado desde o meio-dia em um salão do Congresso Nacional argentino. A morte de Mercedes mobilizou o país e shows dela estão sendo transmitidos por praticamente todos os canais de televisão. Suas gravações de músicas folclóricas e populares fizeram sucesso pelo mundo.

A família de “La Negra” informou que o corpo da cantora será cremado e suas cinzas serão espalhadas em sua cidade natal, Tucumán, em Mendoza e na capital argentina, Buenos Aires.

Fontes


Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com