Polícia mata criminoso Matemático, um dos traficantes mais procurados do Rio de Janeiro

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

Portal Obituário
Outras notícias sobre obituário

12 de maio de 2012

Rio de Janeiro, RJ, Brasil — Uma operação conjunta das polícias Civil, Militar e Federal resultou na morte do traficante Marcio José Sabino Pereira, conhecido como Matemático. O criminoso foi baleado na noite de ontem (11) na Favela da Coréia, zona oeste da cidade, por integrantes da Polícia Civil que estavam no helicóptero.

Matemático era responsável pelo tráfico em várias favelas do Rio de Janeiro, que sofrem há vários meses com a violência por conta da disputa pelos pontos de venda de drogas. Ele era um dos últimos criminosos de projeção ainda em liberdade no estado, desde o processo de pacificação iniciado há cerca de três anos, com a tomada de favelas e comunidades por meio das unidades de Policia Pacificadora (UPPs).

Quatro criminosos, entre eles Matemático, estavam em um veículo que passou a ser perseguido pelos policiais, por volta das 23h30, em uma localidade da Coréia conhecida como Mobral. Ao perceberem o cerco, os suspeitos passaram a atirar no helicóptero da polícia, que chegou a ser atingido. Os policiais revidaram os disparos, o que levou o veículo a se descontrolar e bater contra um muro. Nesse momento, Matemático foi alvejado, mas seu corpo só foi localizado na manhã de hoje (12), dentro de outro carro, no bairro de Bangu.

A operação que terminou com a morte de Matemático começou a ser montada há cinco meses e esta foi a décima tentativa de prender o criminoso, que tinha 26 condenações judiciais e 11 mandados de prisão expedidos. O subchefe de Operações da Polícia Civil, delegado Fernando Velloso, disse que a morte do traficante não significa o fim das operações policiais naquelas comunidades, que continuarão “de forma silenciosa”.

O Estado não esqueceu daquela área, estamos trabalhando e quando temos que apresentar resultados, a gente apresenta. O sujeito que achava ser inatingível e invencível, não é. Eu preferia que ele estivesse preso. Mas ele escolheu isso [morrer e ir ao inferno].

Fernando Velloso

O subchefe de Operações destacou que a morte de Matemático é um recado aos demais criminosos da facção que continuam soltos. “A gente não vai lá para matar ninguém, vamos para prender. Mas quem resolver oferecer resistência, achar que pode enfrentar o Estado, vai sair perdendo. Nós temos a força e vamos usá-la. Os outros que estão lá podem estar achando que vão ascender a uma posição mais privilegiada [na quadrilha]. Talvez vão ascender. Ou parar no mesmo lugar que ele foi hoje.”

Fonte

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati