Petro sugere suspender relações com Israel após repreensão israelense por sua fala

Fonte: Wikinotícias
Petro

16 de outubro de 2023

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

As relações diplomáticas entre a Colômbia e Israel foram afetadas na tarde deste domingo, quando o presidente Gustavo Petro assegurou que estava disposto a “suspendê-las”, depois de o governo israelita ter qualificado as suas recentes falas como “hostis e anti-semitas”.

“Se tivermos que suspender as relações externas com Israel, nós as suspendemos. Não apoiamos genocídios”, escreveu Petro em seu perfil no X, antigo Twitter. Anteriormente, o presidente criticou o cerco contra Faixa de Gaza — que está sem eletricidade, água e medicamentos — e citou o Holocausto: “Os israelitas e os palestinianos são seres humanos sujeitos ao direito internacional.”

Israel condenou as declarações, que afirmou "refletir o apoio às atrocidades cometidas pelos terroristas do Hamas, alimentar o anti-semitismo, afetar os representantes do Estado de Israel e ameaçar a paz da comunidade judaica na Colômbia", disse Lior Haiat, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores de Israel.

Haiat garantiu que o ministro das Relações Exteriores de Israel, Eli Cohen, e outras autoridades convocaram a embaixadora colombiana em Israel, Margarita Manjarrez, para uma “repreensão” na qual abordaram as “declarações hostis e antissemitas do presidente da Colômbia, Gustavo Petro, contra o Estado de Israel, durante a última semana.”

Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da Organização Mundial da Saúde, também criticou Israel pelo cerco.

Centenas de colombianos ficaram retidos pelo conflito, um primeiro grupo de 110 deles conseguiu voltar para casa na última sexta-feira em um voo humanitário que pousou na base da Força Aérea Colombiana.

Este domingo, centenas de milhares de residentes de Gaza tentaram cumprir uma ordem israelense de evacuar a metade norte do território, enquanto ainda muitos aglomeraram-se em hospitais. Os 2,3 milhões de civis de Gaza enfrentavam uma crescente escassez de alimentos e água e preparavam-se para uma invasão iminente.

As forças israelitas, apoiadas por um envio crescente de navios de guerra dos EUA, posicionaram-se ao longo da fronteira de Gaza e conduziram exercícios para o que Israel disse que seria uma campanha aérea, terrestre e marítima para desmantelar o grupo militante Hamas.

Fontes