Pesquisadores do Into querem desvendar perfil genético de atletas

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

23 de dezembro de 2014

Brasil

Triatletas e maratonistas terão o perfil genético desvendado. Cientistas do Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia Jamil Haddad (Into) e do Instituto Nacional de Cardiologia (INC) querem entender quais componentes genéticos influenciam o alto rendimento de atletas em competições e identificar o potencial de cada pessoa para o esporte.

Para isso, os pesquisadores vão estudar duas proteínas relacionadas à absorção de oxigênio pelo organismo: MCP1 e MCP2. Ambas têm a função de transportar o ácido piruvato, que age na transformação de partículas de glicose em combustível para o corpo, ou seja, fazem com que o atleta tire maior beneficio da respiração, gerando mais energia nos treinos.

Os especialistas acreditam que uma alteração genética no consumo de oxigênio pode explicar o alto desempenho de alguns, em comparação com os demais, mesmo quando submetidos ao mesmo treinamento, explica o coordenador do Laboratório de Pesquisa Neuromuscular e de Fisiologia do Esforço do Into, José Inácio Salles. “As proteínas que estudamos vão nos ajudar a identificar aquilo que caracteriza essa individualidade, as limitações e possibilidades das pessoas.”

Segundo Salles, o sucesso do estudo, caso a tese da mutação genética seja confirmada, poderá colaborar com o treinamento de corredores e triatletas, aumentando o potencial de cada um. “Essa era uma lacuna dentro do conhecimento referente ao metabolismo aeróbico”, completou o especialista.

Desde de meados do ano, especialistas fazem coleta de sangue e saliva, além de exames cardiorrespiratórios, em 60 atletas de alto e baixo rendimento, com, no mínimo, dois anos de treinamento sistemático e participação em provas – como corridas de 10 a 20 quilômetros e de triathlon (nadar, pedalar e correr). Os resultados da pesquisa saem em 2015.

Os atletas, que participam voluntariamente da pesquisa, foram identificados por treinadores que atuam na cidade do Rio de Janeiro.

Fontes

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati