Paulo Henrique Amorim é condenado pela Justiça a pagar R$ 30 mil ao Paulo Preto

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

25 de janeiro de 2012

O jornalista Paulo Henrique Amorim foi condenado a pagar R$ 30 mil ao ex-diretor de Engenharia de Desenvolvimento Rodoviário S.A. (Dersa), Paulo Vieira de Souza, mais conhecido como Paulo Preto, por chamá-lo em seu blog Conversa Afiada de "Paulo Afro-descendente" e divulgar o endereço em que mora (em São Paulo). A sentença, do dia 9 de janeiro, foi divulgada ontem (24), é assinada pelo juiz Daniel Luiz Maia Santos, da 4ª Vara Cível de São Paulo, que classificou o trocadilho com o nome de Souza como "atitude discriminatória".

Na ação, o ex-diretor do Dersa, representado pelo advogado Fernando K. Lottenberg, pediu inicialmente R$ 100 mil de indenização por textos de Amorim que noticiaram especulações não investigadas e acusações de racismo:

  • "suposto envolvimento na receptação de uma jóia, segundo a notícia, furtada, veiculando e amplificando falaciosas declarações";
  • "suposto recebimento de valores da empresa responsável pelas obras do Rodoanel"
  • "divulgação de endereço residencial do autor";
  • "caráter discriminatório e racista das matérias".

A defesa de Amorim argumentou que "na condição de conhecido e respeitado jornalista", "atuou de forma sóbria e ética", pois o nome de Paulo Preto era relacionado à operação Castelo de Areia várias vezes, na qual a Polícia Federal investigou crimes financeiros envolvendo a construção do Rodoanel; já a receptação de jóia, alegou que apenas reproduziu reportagem do jornal ABCD Maior; sobre acusação de racismo (ao trocar "Preto" por "Afro-descendente"), a defesa afirmou que "a expressão 'Afro-descendente' é denominação técnica, comumente utilizada por entidades protetoras da cultura negra, e não possui qualquer conotação de cunho racista"; sobre publicação indevida do endereço de Paulo Vieira de Souza no blog, sem menção ao número do apartamento não ensejaria, segundo os advogados do jornalista, violação à vida privada do autor.

No entanto, para juiz Daniel Luiz Maia Santos, "Paulo Henrique Amorim, ao se referir ao autor como 'Afro-descendente', naquele contexto, e mencionar seu endereço residencial, com dados pormenorizados, efetivamente foi além do que lhe permite a liberdade de informação, porque atingiu, em última análise, a dignidade do autor, o que enseja indenização por danos morais"; ao chamar Paulo Preto de Paulo Afro-descendente é "infeliz brincadeira" que denota, "senão grave, um destemperado jogo de palavras com assunto de especial sensibilidade, pois nossa sociedade é ainda racista, e qualquer atitude discriminatória, como a acima indicada, deve ser condenada"; sobre a referência ao endereço, com o nome da rua, número do prédio, bairro e cidade, além de foto do prédio, "expõe desnecessariamente a vida privada do autor, porque se de fato é do interesse público informação sobre o que um suposto dinheiro ilícito teria permitido comprar, revela-se absolutamente sem cabimento o apontamento particularizado do local preciso onde o autor moraria"; sobre o envolvimento de Paulo Preto com a receptação de jóias, Amorim foi considerado inocente, por ter apenas feito referência "ao que fora apurado por outro veículo de imprensa"; porém o jornalista não foi condenado por ligar o nome de Paulo Preto à operação Castelo de Areia, ao, fazendo outro trocadilho, chamar o anel viário de São Paulo de "Roboanel". Os fatos citados e aceitos na condenação do jornalista, o juiz Santos fixou em R$ 30 mil reais, que afirmou que a acusação pôde ser feita, pois "não se exige do jornalista, nem de qualquer veículo de imprensa, apuração aprofundada e precisa de fatos, especialmente os que se referem a condutas lesivas ao interesse público".

A condenação é em primeira instância, cabe recurso. O número do processo é 583.00.2011.187444-6.

Histórico[editar]

Em outubro de 2010, o nome (e o apelido) de Souza estampava as páginas de jornais e sites, depois que a então candidata à presidência Dilma Rousseff disse em debate que ele havia "sumido com R$ 4 milhões da campanha" de José Serra (rival de Dilma na corrida eleitoral). A acusação de ter arrecadado dinheiro de empresários em nome do partido e não entregá-lo para o caixa da campanha já havia sido feita por políticos do PSDB anteriormente. Souza era o responsável direto por grande parte das obras viárias do governo de São Paulo e foi demitido oito dias depois de ter inaugurado o trecho sul do Rodoanel. Já essas acusações de Souza estão em segredo de Justiça. Foi nesse mês que Souza entrou em ação contra Amorim, após a publicação.

Esta não é a primeira acusação de racismo contra Amorim. Em 2009, o jornalista, advogado e apresentador de telejornais, (Heraldo Pereira) e o diretor de jornalismo (Ali Kamel), ambos da TV Globo, entraram com ações contra jornalista por racismo. Pereira é afro-brasileiro e Ali Kamel é árabe-brasileiro.

Em junho de 2010, a promotora Lais Cerqueira Silva, do MP do Distrito Federal, ofereceu denúncia contra o blogueiro, incluindo trechos de textos publicados no seu site, em que o jornalista faz comentários ofensivos. O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro manteve outra condenação de primeira instância que manda Paulo Henrique Amorim a indenizar em R$ 30 mil por danos morais o diretor de jornalismo da TV Globo, Ali Kamel. Também no ano passado, a 1ª Câmara Cível da mesma corte já havia condenado o blogueiro a indenizar em R$ 200 mil o banqueiro Daniel Dantas, por abuso do dever de informar, ao fazer acusações sem provas sobre Operação Satiaghara ocorrida em 2008. Em um dos trechos relacionados pelo Ministério Público, o jornalista escreveu no site a inveja do sucesso de Pereira na Globo por ser "negro de alma branca" e que Kamel é racista:

Heraldo Pereira, que faz um bico na Globo, fez uma longa exposição para justificar o seu sucesso. E não conseguiu revelar nenhum atributo para fazer tanto sucesso, além de ser negro e de origem humilde. Heraldo é o negro de alma branca. Ou, a prova de que o livro do Ali Kamel está certo: o Brasil não é racista. Racista é o Ali Kamel."
Paulo Henrique Amorim

Nesse momento (Janeiro de 2012), Amorim responde dezenas de processos movidos: pelo jornalista Fausto Macedo (O Estado de S.Paulo); ex-governador José Serra; os empresários Naji Nahas, Daniel Dantas, Sérgio Andrade e Carlos Jereissati; o ex-senador Heráclito Fortes, pelos advogados Nélio Machado e Alberto Pavie. As acusações são desde ofensas contra honra, de cunho pessoal e até acusações sem provas.

No Supremo Tribunal Federal, Amorim responde juntamente com Luís Roberto Demarco pela acusação de corrupção ativa. A ilação é a de que a dupla foi quem dirigiu, nos bastidores, a Operação Satiagraha, com o objetivo de direcionar a venda da Brasil Telecom, como forma de tirar Daniel Dantas na venda. As investigações da operação foram anuladas pela Justiça em novembro do anos passado por se tratar investigação ilegal.

O mais curioso das graves acusações é que ele é sempre protegido pela TV Record (na qual faz parte), emissora na qual acusada de diversas irregularidades durante a campanha eleitoral de 2010. O dono da emissora, Edir Macedo, declarou abertamente que vota na Dilma Roussef e que a emissora foi usada a favor dela.

Fontes[editar]

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati