Partidos e sociedade civil fiscalizam eleições em Angola

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência VOA

9 de fevereiro de 2017

Os partidos da oposição angolana dizem que vão fiscalizar os resultados eleitorais numa frente única e certos setores da sociedade civil também se movimentam a seis meses do ato eleitoral.

O secretário-geral adjunto da UNITA, Rafael Massanga, disse que o seu partido já não vai “engolir sapos”, como nas duas últimas eleições e que está preparada para fiscalizar o pleito eleitoral.

“Toda a gente ouviu o presidente Samakuva dizer que a UNITA desta vez não vai mais engolir sapo, ou seja, a UNITA não está só preparada para fiscalizar como para ganhar as eleições”, disse Massanga.

Já Lindo Bernardo Tito, vice-presidente e porta-voz da CASA-CE, admite que os partidos da oposição aventam a possibilidade de criar uma frente única para a fiscalização eleitoral em 2017.

“Os partidos estão amadurecendo as suas opiniões e esperamos que dentro de dias os partidos possam sentar para delinear este modelo de fiscalização conjunta”, revelou.

Entretanto, a sociedade civil também se mobiliza nesse sentido.

O ativista cívico e professor Domingos da Cruz apresenta amanhã, 10, em Luanda um aplicativo online capaz de denunciar irregularidades no processo eleitoral.

“O simples fato de as pessoas registrarem tudo o que observam no processo eleitoral de forma segura e enviar de forma anônima já é uma vantagem”, explicou Cruz.

De recordar que nas eleições de 2012, em Angola, não houve observadores internacionais e as embaixadas não tiveram credenciais de monitores.

Fonte

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati