Partido de Lula pode perder registro no Brasil

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

18 de julho de 2005

Brasil

O senador César Borges, do Partido da Frente Liberal (PFL) da Bahia, protocolou hoje junto à Justiça Eleitoral brasileira o pedido de cassação do registro do Partido dos Trabalhadores (PT). O motivo é a confissão de crime eleitoral por parte do ex-tesoureiro do PT, Delúbio Soares. O presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, é um dos fundadores do partido.

O PFL uniu-se ao PSDB, partido do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, para pedir o bloqueio do repasse de verbas do fundo partidário do PT. Os líderes dos dois partidos pretendem entrar com o pedido na Justiça Eleitoral até amanhã. O fundo partidário é um fundo estatal destinado a financiar parte das campanhas eleitorais.

Em entrevista ao 'Jornal Nacional, Delúbio Soares admitiu a prática de "caixa 2" e pedidos de empréstimos ao publicitário Marcos Valério, num total de R$ 40 milhões entre 2002 e 2004. O empresário admitiu, também em entrevista ao mesmo telejornal, que pedia empréstimos a bancos para repassar ao PT, dando como garantia contratos com a empresa estatal de Correios e Telégrafos.

O empresário Marcos Valério, suspeito de ser o operador do mensalão, prestou novo depoimento na Procuradoria Geral da República hoje e afirmou que o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu, um dos colegas de partido mais próximos a Lula, sabia dos empréstimos. O presidente até agora não admitiu ter conhecimento de nenhuma das inúmeras denúncias contra integrantes do governo. Em entrevista ao telejornal Fantástico, neste domingo, o presidente lavou as mãos: "Já faz tempo que eu deixei de ser presidente do PT. Fui presidente do PT durante três anos, mas depois que eu virei presidente da Republica, eu não pude mais participar da direção do PT, não pude mais participar da reunião do diretório do PT."

Ontem, o líder do PT no Senado e presidente da Comissão Parlamentar que investiga casos de corrupção nos Correios, Delcídio Amaral, disse que o partido "está praticamente cassado" após as entrevistas de Valério e Delúbio.

Fontes