Parlamento do Paquistão adota moção de não-confiança contra o primeiro-ministro Khan

Fonte: Wikinotícias

28 de março de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

O parlamento do Paquistão iniciou na segunda-feira um processo de voto de desconfiança destinado a destituir o primeiro-ministro Imran Khan por supostamente governar mal o país.

Os partidos da oposição moveram conjuntamente a resolução de desconfiança na Câmara baixa legislativa do Parlamento, conhecida como Assembleia Nacional. A casa de 342 membros começará um debate sobre a moção na quinta-feira e uma votação deve ser realizada nos próximos dias.

“O primeiro-ministro deixa de ocupar seu cargo depois de ter perdido a confiança desta casa”, disse o líder da oposição Shehbaz Sharif, lendo a moção de censura transmitida ao vivo pela televisão.

Khan, que formou um governo de coalizão com uma pequena maioria depois que seu partido venceu as eleições gerais de 2018, enfrenta o que analistas dizem ser o desafio político mais sério ao seu governo. Ele rejeitou as alegações de desgoverno e prometeu derrotar o movimento de desconfiança.

O ex-astro do críquete de 69 anos diz que seu governo continua a contar com o apoio da maioria dos legisladores, apesar de recentes deserções em seu partido no poder, o Paquistão Tehreek-e-Insaf (PTI).

Mas vários parlamentares do PTI mudaram de lado antes da votação crucial, enquanto os parceiros da coalizão também ameaçaram se separar por causa de disputas políticas, deixando Khan com 172 votos, uma maioria simples que ele precisa para se manter no poder.

Líderes da oposição e analistas independentes disseram que Khan perdeu o apoio dos poderosos militares do país, que supostamente orquestraram sua vitória eleitoral, incentivando seus oponentes políticos a iniciar o processo de desconfiança.

No entanto, o governo na segunda-feira fechou um acordo com um de seus principais parceiros distantes, a Liga Muçulmana do Paquistão-Q, e concordou em dar-lhe o cargo de ministro-chefe da província mais populosa de Punjab do país. Analistas descreveram o acordo como um grande golpe para os apoiadores do voto de desconfiança.

A oposição, que coletivamente tem 163 cadeiras, respondeu dizendo que ainda pode obter uma maioria simples para derrubar o governo, embora nenhum primeiro-ministro no Paquistão tenha sido removido do cargo por tal votação.

A turbulência política ocorre em meio ao aumento da inflação e ao aprofundamento dos problemas econômicos do Paquistão, que o governo atribui à corrupção desenfreada em administrações anteriores e aos repetidos bloqueios relacionados à pandemia nos últimos dois anos.

O governo de Khan está trabalhando com o Fundo Monetário Internacional para garantir a próxima parcela de um pacote de resgate de US$ 6 bilhões para reforçar as reservas cada vez menores de moeda estrangeira do país.

No domingo, Khan se dirigiu a uma grande manifestação de seus apoiadores na capital, Islamabad, onde alegou que a moção de desconfiança da oposição resultou de uma “conspiração estrangeira” destinada a desalojar seu governo.

“O financiamento está sendo canalizado para o Paquistão do exterior em uma tentativa de mudar o governo. Nosso próprio povo está sendo usado”, afirmou Khan sem dar mais detalhes.

Sharif negou as acusações enquanto conversava com repórteres na segunda-feira e exigiu que o primeiro-ministro trouxesse provas ao parlamento para fundamentar o que ele disse serem alegações infundadas.

Alguns comentaristas políticos paquistaneses e políticos em talk shows da mídia local sugeriram que os militares podem estar por trás do movimento de desconfiança contra Khan. Eles citaram diferenças sobre a recente nomeação do chefe de inteligência e uma postura cada vez mais anti-Ocidente pelo primeiro-ministro.

“As forças que montaram esse cenário, ao que parece, não conseguem mais controlar a situação. Isso, em geral, é melhor para a evolução democrática do Paquistão”, observou Ayaz Amir, em seu programa de entrevistas no horário nobre no canal de notícias Dunya. Amir não nomeou os militares.

Os militares, que realizaram vários golpes contra governos eleitos que levaram a prolongadas regras ditatoriais no Paquistão, negaram estar por trás da turbulência política.

O governo Khan, no entanto, se absteve de votar no início deste mês, quando a Assembleia Geral das Nações Unidas condenou a Rússia por invadir a Ucrânia.

Desde então, o primeiro-ministro tem discursado rotineiramente em comícios públicos onde criticou diplomatas ocidentais em Islamabad por escreverem uma carta aberta ao seu governo para exigir que Islamabad condene a invasão da Ucrânia pela Rússia.

Khan visitou o presidente Vladimir Putin em 24 de fevereiro logo após o líder russo ordenar que suas forças atacassem a Ucrânia. Khan defendeu sua viagem, dizendo que foi planejada meses antes do início do conflito Rússia-Ucrânia.

Fontes