Parlamento angolano recusa debate sobre detenção de activistas

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Angola.

Agência VOA

Debate solicitado pela Unita foi recusado alegadamente por o assunto estar sob segredo de justiça.

28 de julho de 2015

A Assembleia Nacional (o Parlamento angolano) rejeitou o pedido da União Nacional para a Independência Total de Angola para um debate urgente sobre a prisão dos 15 jovens do auto-denominado Movimento Revolucionário pela Polícia Nacional em de Junho em Luanda (capital de Angola). A denúncia foi feita à VOA pelo deputado Raúl Danda, chefe do grupo parlamentar do principal partido da oposição angolana.

Danda questiona o segredo de justiça que terá sido evocado pela liderança do Parlamento angolano para justificar a rejeição do pedido de debate.

Onde é que está o segredo de justiça quando o Procurador-Geral da República mostra aos deputados vídeos e supostas evidências?

questionou o deputado Raúl Danda.

O pedido de debate parlamentar sobre a prisão dos jovens do auto-denominado Movimento Revolucionário é apoiado pela Convergência Ampla de Salvação de Angola - Coligação Eleitoral (CASA-CE), que tal como a União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), considera injusta a detenção dos jovens.

Os 15 jovens são acusados pela Justiça angolana de tentativa de golpe de Estado e consequente destituição do Presidente José Eduardo dos Santos.

Em recente declaração pública, Santos afirmou que o país não podia permitir uma nova tentativa de golpe de Estado a exemplo do que aconteceu em 1977 quando um grupo de membros dirigentes do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) se rebelou contra a liderança de Agostinho Neto, primeiro Presidente de Angola.

Fonte

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via Google+ Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati