Parlamento Europeu pede legitimação da Assembleia Nacional de Guaidó

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

22 de janeiro de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

O Parlamento Europeu aprovou nesta quinta-feira uma resolução na qual pede aos Estados membros do bloco que reconheçam a prorrogação do mandato do Parlamento de oposição venezuelano e do presidente interino do país, Juan Guaidó.

Aprovado com 391 votos a favor, 114 contra e 177 abstenções, o texto indica que "até que sejam realizadas eleições verdadeiramente livres, credíveis, inclusivas, transparentes e totalmente democráticas na Venezuela", continuará a considerar a Assembleia Nacional eleita em dezembro 2015 — assim como seu presidente — como “o único órgão político democrático e representativo legítimo da Venezuela”.

Eles pedem ao Conselho e aos Estados membros que também reconheçam a continuidade da Assembleia Nacional e do presidente interino, Guaidó.

Quase 60 países ao redor do mundo reconheceram a presidência interina da nação sul-americana.

Alegam não reconhecer "nem a legitimidade nem a legalidade" da Assembleia Nacional constituída em 5 de janeiro, por Nicolás Maduro. O texto indica que estarão atentos a qualquer "ato de repressão, nomeadamente contra membros das forças democráticas".

Nesta mesma semana, na sessão plenária do Parlamento, o Alto Representante da UE para a Política Externa, Josep Borrell, indicou que irão dialogar “com todos os atores que se dispõem a trabalhar pela restauração democrática do país. Começando, claro, com Juan Guaidó e os representantes da Assembleia Nacional cessante e legitimamente eleita em 2015 ”.

Depois que a resolução foi conhecida, Guaidó agradeceu ao Parlamento Europeu "por apoiar a Constituição e os venezuelanos".

"O diálogo legítimo da Venezuela está neste Parlamento, focado em conseguir eleições livres e justas", disse ele em uma postagem no Twitter.

O Parlamento Europeu defende que a única solução para a crise que o país atravessa é um caminho "político, pacífico e democrático", através de eleições presidenciais, parlamentares, regionais e locais "credíveis, inclusivas, livres, justas e transparentes".

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com