Parlamentares da oposição buscam denunciar ataques recentes contra Guaidó

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.

15 de junho de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Os deputados do parlamento de 2015 propuseram denunciar ao procurador do Tribunal Penal Internacional (TPI) a "emboscada" do fim de semana contra Juan Guaidó, considerado presidente interino da Venezuela por pelo menos 50 países.

Guaidó e sua equipe de trabalho foram atacados no domingo por supostos militantes do partido do governo e de grupos armados enquanto ele se reunia com ativistas políticos no estado de Cojedes, cerca de 300 quilômetros a sudoeste da capital venezuelana.

“Esses comportamentos estão incluídos nos crimes previstos e sancionados pelo Estatuto de Roma. São crimes contra a humanidade, crimes que gozam de total impunidade devido à leniência do Ministério Público, que é muito rápido em privar de liberdade as pessoas que se opõem ao regime e que premia quem protege a ditadura”, disse a deputada Mildred Carrero, durante uma sessão virtual do parlamento.

Na mesma reunião, o deputado Williams Dávila acrescentou que os fatos mostram que Maduro "não quer nenhum tipo de diálogo ou negociação" e busca "sabotar" qualquer processo que leve a eleições livres no país.

“Peço às autoridades que investiguem isso definitivamente para ver o que são esses núcleos fascistas violentos que justamente o que eles geram é uma situação de violação dos direitos humanos, dos direitos de se engajar na política para resolver os problemas da Venezuela”, expôs.

Dávila disse que o governo protege "questões terroristas" e se referiu ao caso do avião cargueiro venezuelano ligado ao Irã detido na Argentina.

Nesse sentido, ele mencionou os acordos alcançados por Maduro durante sua visita ao Irã no fim de semana.

Guaidó denunciou a política de Estado que afirma ter sido implementada contra aqueles que buscam mudanças democráticas no país e insistiu que o ataque de militantes e líderes chavistas foi uma ação coordenada pela qual ele responsabilizou o presidente Maduro.

Como ele disse, os eventos foram alavancados no uso de robôs originários de países aliados a Maduro.

“Mecanismos automatizados. Principalmente russos, turcos também estiveram envolvidos nessa operação, pelo menos recentemente, na África e que coincidência no México”, destacou.

O episódio do fim de semana foi condenado pelo secretário de Estado norte-americano Anthony Blinken e por representantes de outros governos e organizações da região.

Fontes