Papa pede atuação adequada da comunidade internacional contra Estado Islâmico

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Papa Francisco na visita na Coreia do Sul em 17 de agosto de 2014.
Imagem: Russavia.

Agência Brasil

20 de outubro de 2014

Vaticano

O papa Francisco disse hoje (20) que os atos dos jihadistas do movimento Estado Islâmico (EI, ex-Estado Islâmico do Iraque e do Levante, EIIL) são um “terrorismo de dimensões antes inimagináveis” e pediu a “atuação adequada” da comunidade internacional. “Estamos assistindo a um fenômeno de terrorismo de dimensões antes inimagináveis. Parece que se perdeu a consciência do valor da vida humana, que as pessoas não têm valor e que podem ser sacrificadas por outros interesses. E, tudo isto, lamentavelmente, diante da indiferença de muitos”, criticou.

O papa abriu, com esta declaração, o consistório de cardeais - reunião para dar assistência ao papa nas suas decisões - em que abordará a situação no Oriente Médio e o papel que a Igreja Católica pode desempenhar para promover a paz. Diante da situação, “muito preocupante”, o papa pediu uma “resposta adequada” da comunidade internacional. “Estou seguro que, com a ajuda do Senhor, do encontro de hoje, emanarão reflexões e sugestões válidas para ajudar os nossos irmãos que sofrem e para acudir o drama da redução da presença cristã na terra onde nasceu e se difundiu o cristianismo”, destacou.

O papa recordou que a Igreja está unida no “desejo de paz e de estabilidade no Oriente Médio” e na “vontade de favorecer a resolução de conflitos mediante o diálogo, a reconciliação e o compromisso político”. O pontífice já mostrou sua preocupação com a situação na Região Oriental do Mediterrâneo, onde os jihadistas do EI avançam com o objetivo de estabelecer um califado entre a Síria e o Iraque, sob as ordens de Abu Bakr Al Baghdadi.

Para conhecer a situação dos refugiados, Francisco enviou à região o prefeito da Congregação para a Evangelização dos Povos, Fernando Filoni.

Fonte[editar]

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati