Países europeus suspendem a vacina AstraZeneca sobre o medo de coágulos sanguíneos

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

15 de março de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Alemanha, França e Itália se tornaram os últimos países europeus a interromper o lançamento da vacina AstraZeneca na segunda-feira, enquanto os cientistas investigavam relatórios de possíveis efeitos colaterais adversos entre várias pessoas na Noruega que receberam a injeção.

Autoridades norueguesas disseram no sábado que uma pessoa morreu de hemorragia cerebral e três outras foram hospitalizadas com coágulos sanguíneos logo após receber a vacina AstraZeneca.

"Até agora, não podemos falar se os casos estão relacionados à vacina. Mas devido à gravidade dos casos, estamos investigando a fundo", disse Sigurd Hortemo, médico-chefe da Agência Norueguesa de Medicamentos, a repórteres em Oslo

A Organização Mundial da Saúde (OMS) disse que o medicamento AstraZeneca é seguro para uso e instou os países a continuarem com seus programas de vacinação.

O ministro da Saúde alemão, Jens Spahn, disse na segunda-feira que a decisão de interromper o lançamento foi uma "medida puramente de precaução. Milhões de vacinas AstraZeneca foram administradas em todo o mundo. Todos nós estamos bem cientes das consequências dessa decisão", disse Spahn em uma coletiva de imprensa em Berlim.

O presidente francês Emmanuel Macron disse que a suspensão será encerrada assim que a Agência Europeia de Medicamentos (EMA) der sua aprovação.

"A decisão, que foi tomada por precaução, em conformidade com nossa política europeia, é suspender, por precaução, a vacinação com a vacina AstraZeneca na esperança de que possamos retomar rapidamente se a EMA der sinal verde", disse Macron repórteres segunda-feira.

A suspensão parece minar ainda mais a confiança na vacina AstraZeneca entre o público europeu. Alemanha e França já haviam sido acusadas de alimentar o ceticismo após recomendar em janeiro que ela não fosse dada a pessoas com mais de 65 anos, posição que ambos os governos reverteram posteriormente.

"Eu não teria tomado (a vacina AstraZeneca)", disse a holandesa Marja Vestrik, de 77 anos, à Reuters na segunda-feira, "embora eu ache que no final tudo ficará bem."

Outros países fora da Europa também suspenderam as vacinações da AstraZeneca, incluindo a República Democrática do Congo e a Indonésia.

A OMS disse que não há evidências de que a vacina AstraZeneca causa coágulos sanguíneos e pediu aos países que continuem a usá-la.

Dr. Soumya Swaminathan, um cientista clínico, disse que todas as vacinas aprovadas pela OMS tiveram excelentes registros de segurança.

"Das 330 milhões de doses de vacinas que foram implantadas, não temos conhecimento de nenhuma morte relacionada à vacina COVID confirmada. Houve mortes após a vacinação em pessoas, mas pessoas morrem de doenças todos os dias", disse Swaminathan em uma coletiva.

A AstraZeneca insistiu na segunda-feira que a vacina é segura e ecoou a visão da OMS de que não há evidências de uma ligação com coágulos sanguíneos. Dos 17 milhões de pessoas na Europa que receberam a vacina, a AstraZeneca diz que menos de 40 desenvolveram coágulos sanguíneos, que os especialistas em saúde dizem ser uma taxa mais baixa do que na população em geral.

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, deu seu apoio à vacina AstraZeneca na segunda-feira, que foi desenvolvida em conjunto com a Universidade de Oxford.

“Temos um dos reguladores mais duros e experientes do mundo. Eles não veem nenhuma razão para interromper o programa de vacinação para qualquer uma das vacinas que estamos usando atualmente”, disse Johnson.

A vacina AstraZeneca é um pilar fundamental dos programas de inoculação em massa de muitos países. É relativamente barato e não precisa ser armazenado em temperaturas ultrabaixas, por isso é considerado particularmente adequado para sistemas de saúde com menos recursos, especialmente em partes da África.

"Não acreditamos que esta informação seja um motivo para desacelerarmos nossa resposta à vacinação contra COVID-19", disse o comissário de Saúde do Estado de Lagos, Akin Abayomi, na sexta-feira.

Os cientistas temem que a suspensão das vacinas possa afetar a confiança global nas vacinas.

"É evidente que tem que ser investigado. Acho que a grande preocupação, no entanto, é que sabemos que, especialmente em um momento em que a doença ainda é muito comum e está aumentando em vários países europeus, em última análise, qualquer atraso na vacinação vai levar a casos mais graves e mais mortes", disse Paul Hunter, professor da Escola de Medicina de Norwich.

“Vai tornar mais difícil para as pessoas aceitarem a vacina. Vai desanimar as pessoas. E se isso acontecer, como quase certamente vai acontecer, vai fazer com que mais pessoas adoeçam, mais pessoas gravemente doentes e mais pessoas morram."

Hunter acrescentou que as investigações sobre os efeitos colaterais relatados podem ter consequências indesejadas.

A vacina AstraZeneca acaba de receber aprovação oficial no Brasil, um dos países mais atingidos pela pandemia. Ainda não foi autorizado para uso nos Estados Unidos, pois os reguladores aguardam os resultados dos testes de Fase 3, previstos para as próximas semanas.

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram LinkedIn Reddit