Países da Ásia sofrem com tufão Vamco; há mortos e feridos

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

15 de novembro de 2020

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Após atingir a costa leste central da ilha de Luzon, nas Filipinas, na quinta-feira passada e atravessar o país rumo a oeste, deixando, até a manhã deste domingo, 67 mortos, o tufão Vamco chegou, também hoje, à costa do Vietnã, onde segundo o Japan Times, danificou prédios e feriu pelo menos cinco pessoas. A tempestade atingiu o continente, mais precisamente as províncias centrais de Quảng Bình e Hà Tĩnh, com ventos de até 90 quilômetros por hora (56 mph), arrancando árvores e derrubando telhados de casas e escolas".

Nas Filipinas seus ventos haviam alcançado mais de 150km/h, mas o fenômeno perdeu força enquanto atravessava o país.

Segundo o Rappler, as mortes nas Filipinas aconteceram nas regiões de Vale Cagayan (22), Calabarzon (17), Região da Cordilheira Administrativa(10), Região Metropoliana de Manila (8), Bicol (8) e Luzon Central (2). Também há cerca de 50 pessoas feridas e cerca de 20 desaparecidas e milhares de pessoas estão fora de suas casas devido as enchentes causadas pelas fortes chuvas provocadas pelo fenômeno.

Já no Vietnã, segundo o governo, milhares de pessoas estão sem luz nos distritos de Cam Lo, Vinh Linh, Gio Linh, Trieu Phong, Hang Lang, Dakrong e em parte da cidade de Dong Ha, além de diversas cidades da região norte da província de Quang Binh. Um deslizamento de terra derrubou o dique marinho na comuna de Giang Hai.

O Vamco - chamado Ulysses nas Filipinas - é o 27º fenômeno meteorológico de ventos ciclônicos da Temporada de tufões no Pacífico de 2020.

O mais mortal do ano nas Filipinas

De acordo com o Japan Times, o Vamco foi o tufão mais mortal a atingir as Filipinas este ano.

A temporada de 2020, no entanto, ainda segue pelas próximas semanas e novos ciclones podem se formar.

Notícia Relacionada

Fontes

Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com