País precisa saber qual reforma política será feita, diz cientista político

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

27 de outubro de 2014

Brasil

A proposta de Dilma Rousseff de fazer a reforma política como prioridade em seu próximo governo, reforçada em seu discurso da vitória na noite de hoje (26), é positiva, mas deve ser detalhada pelo governo e o Congresso. A opinião é do cientista político Ricardo Ismael, professor de ciências políticas da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio).

“A pergunta é: que reforma política é essa? Quando se discute o assunto, todo mundo é a favor. Mas qual reforma política ela vai propor? Tem gente achando que é voto facultativo, que é acabar com coligação partidária, ou até o controle dos meios de comunicação. Assim é meio vago, tem que qualificar. Ainda tem que trabalhar muito no Congresso Nacional para encontrar o consenso.” Na avaliação de Ricardo Ismael, o resultado apertado deverá incentivar a busca de apoios para fazer as reformas anunciadas durante a campanha.

“A presidenta Dilma vai tentar buscar a unidade do país, superar os conflitos e problemas que aconteceram durante a campanha e extrapolaram alguns limites. Certamente agora é importante que isso passe, que se faça a discussão dos problemas do país. É preciso pensar no crescimento econômico, que certamente é baixo, pensar na questão da Petrobras, em um padrão de administração pública diferente desse que se observou. Tem que pensar também na questão dos programas sociais, que precisam avançar”, disse.

O cientista político não vê problema no fato de o PT conseguir o quarto mandato consecutivo, tema levantado pela oposição durante a campanha eleitoral. “É decisão do povo brasileiro, soberano, com relação a isso. Existiam duas candidaturas no segundo turno, o povo optou pela Dilma. Agora é respeitar a decisão."

Fontes[editar]

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati