PT reclama de golpe das elites

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

21 de agosto de 2007

Brasil

O Partido dos Trabalhadores (PT), que é o partido governista e o mesmo partido do Presidente Luiz Inácio Lula da Silva está a desqualificar a pequena onda de protestos contra o governo e políticos em geral através do argumento de que o governo brasileiro é vítima de uma espécie de "golpe das elites".

No website do partido, o articulista do PT Maurício Veloso no artigo "Gente 'cansada' de pobre", afirma que Os últimos acontecimentos indicam que a gente rica do país, saudosa das histórias de escravidão contadas pelos avós, está "cansada" de ver o governo dar assistência social para "quem não quer trabalhar".

Veloso, além das elites responsabiliza pelos movimentos de protesto os partidários do partido PSDB: "Dá pra ouvir daqui o choramingo das viúvas de FHC que responsabilizaram o resultado da pesquisa ao fato de que a maior parte dos brasileiros não tem dinheiro para voar de avião".

O prefeito de Guarulhos, Elói Pietá (PT-SP), declarou para a Agência Brasil: "As elites brasileiras nunca aceitaram que um trabalhador vindo da classe trabalhadora e representando a população mais pobre do país governasse o país".

Segundo Devanir Ribeiro, em artigo também publicado no website do PT: O Movimento Cansei, estrelado pela Ordem dos Advogados do Brasil de São Paulo (OAB-SP), nada mais é do que uma peça publicitária oportunista. Muitos a definem como golpista.

Ribeiro ainda defende a retirada do ar das peças publicitárias do Cansei que são veiculadas pelos canais de televisão aberta. As últimas delas convocaram os brasileiros a fazer um minuto de silêncio em protesto contra a violência, corrupção e má administração pública. A peça não faz nenhuma referência explícita a partidos ou políticos. Ribeiro disse: "deveríamos acionar órgão de fiscalização para que a peça fosse 'retirada' do ar, como ocorre quando se extrapolam os limites publicitários".

O deputado estadual Rui Falcão (PT-SP) declarou que não acredita em golpe, porém também afirmou: "Se eles quiserem tirar o presidente e abortar os projetos de transformação que vêm sendo imprimidos no país, terão de fazê-lo pelo voto."

O próprio Presidente Lula comparou os movimentos recentes de protesto à Marcha com Deus pela Liberdade que aconteceu em 1964 e que segundo ele teriam sido uma das causas do golpe de 1964: "Essa gente fez a Marcha com Deus pela Liberdade em 64 que resultou no golpe militar, essa gente que pensa assim levou o Getúlio Vargas ao suicídio, levou João Goulart a renunciar, ficou contente com 23 anos de regime militar e está incomodada com a democracia porque a democracia pressupõe o pobre ter direito, ter Bolsa-Família, sim."

O jornalista Gaudêncio Torquato, que não é do PT, em artigo publicado no Jornal de Brasília declara: Só mesmo ingênuos e tapados por viseira ideológica são capazes de dizer que a imprensa fez a "construção fantasmagórica" do mensalão, inventou o apagão aéreo e monta um cenário de "golpe de Estado".

Torquato acrescenta e faz ainda uma crítica às declarações que o Presidente Lula fez sobre o movimento: É inimaginável ouvir do próprio presidente da República, pessoa reconhecidamente habilidosa, que a mesma "gente que fez a Marcha com Deus pela Liberdade", nos idos de 1964, foi responsável pelo suicídio de Vargas e "levou João Goulart a renunciar" (sic) é a que acorre às ruas contra ele. Dar canelada na bola (Jango foi deposto) é até compreensível, mas confundir o Pacaembu com o Morumbi é imperdoável.

Fontes