PSDB encaminha à tarde representação contra Sarney ao Conselho de Ética

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

28 de julho de 2009

Brasília, Distrito Federal, Brasil


O PSDB encaminhou no fim da tarde de hoje (28) a representação ao Conselho de Ética para que se apurem as denúncias de irregularidades administrativas contra o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP). O documento engloba as quatro denúncias já encaminhadas pelo líder tucano Arthur Virgílio Neto (AM). Segundo o presidente do partido, Sérgio Guerra (PE), a assessoria jurídica avalia neste momento se serão feitas quatro representações (uma para cada denúncia) ou apenas uma que inclua todas as queixas.

O presidente do PSDB, senador Sérgio Guerra (PE), protocolou três representações no Conselho de Ética contra Sarney (PMDB-AP). Guerra disse esperar que o conselho “funcione” e o regimento seja cumprido. “O que desejamos é que o Conselho de Ética funcione, sem tropas de choque e sem pré-julgamentos”, disse o presidente tucano. “Só temos saída para essa crise se o regimento for cumprido e as denúncias caminhem no Conselho de Ética, com respeito a opinião da minoria e com respeito aos fatos”, completou.

Sérgio Guerra explicou que a decisão do partido em apresentar as denúncias separadamente foi primeiramente técnica, mas também tem o objetivo de fazer com que pelo menos uma das denúncias seja relatada por um senador da oposição. “Foi uma questão técnica, melhor fazer como nós fizemos [apresentar separadamente].”

A primeira representação trata da participação do senador José Sarney no suposto desvio de recursos públicos pela Fundação José Sarney, que tem o presidente do Senado como presidente de honra. A outra é referente à participação do peemedebista na utilização de “expediente ilícito”, ou seja, que Sarney teria responsabilidade na edição de atos secretos, para favorecimento de parentes diretos. A última trata do favorecimento ilegal da empresa de propriedade de seu neto para a operação de empréstimos consignados a servidores do Senado.

Guerra explicou que a intenção inicial seria apresentar quatro representações. A última trataria do fato de Sarney ter dito em plenário que não participava da administração da Fundação José Sarney, fato desmentido posteriormente. “Achamos razoável fundir duas delas”, explicou o tucano.

Horas Antes

Guerra ressaltou que a decisão do PSDB de representar contra Sarney de forma partidária no conselho tem como objetivo fazer com que o colegiado funcione. “Nossa proposta é que o Conselho de Ética funcione não na base de pré-julgamentos ou tropa de choque. O partido tem a convicção de que essas denúncias [feitas por Virgílio] não devem ser esquecidas.”

O senador disse ainda que será preciso enfrentar no Conselho de Ética uma segunda etapa no processo de julgamento do Senado (a realização do debate qualificado das denúncias e seu julgamento, uma vez que Sarney teria hoje maioria no conselho). Sérgio Guerra ressaltou ainda a preocupação do PSDB com as intervenções feitas pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva a favor da permanência de Sarney na presidência do Senado.

“Houve uma ação política para instrumentalizar José Sarney no cargo”. Segundo ele, isso teria como finalidade a preservação de uma aliança política entre PT e PMDB para eleger a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, à presidência da República em 2010.

Guerra também contesta a isenção do presidente do Conselho de Ética, Paulo Duque (PMDB-RJ), que é segundo suplente do governador do Rio de janeiro, Sérgio Cabral, e considerado aliado político de Sarney. “Se Cabral quer ajudar a democracia, que coloque no Senado o seu primeiro suplente, Régis Fichtner, [atual chefe da Casa Civil fluminense].”

Sobre a possibilidade de o PSDB requerer a suspeição de Duque na volta aos trabalhos no conselho (pelas declarações favoráveis ao arquivamento das representações de Virgílio), Guerra disse apenas que se “ele [Duque] se mostrar um presidente que respeita o regimento” será preservado.

Fontes


Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati