Ouattara quer montar governo de unidade nacional na Costa do Marfim

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Agência Brasil

11 de janeiro de 2011

O candidato apontado pela comunidade internacional como vencedor das eleições presidenciais na Costa do Marfim, Alassane Ouattara, está disposto a montar um governo de unidade nacional. Porém, segundo o embaixador da Costa do Marfim na Organização das Nações Unidas (ONU), Youssoufou Bamba, o acordo só seria possível se Laurent Gbagbo efetivamente deixasse a presidência do país.

“O Sr. Gbagbo tem apoiadores, gente competente em seu partido. Estamos preparados a trabalhar junto com essas pessoas, em um gabinete de ampla composição”, disse o diplomata no programa de TV Hardtalk, da BBC de Londres. “Ele foi derrotado, tem que admitir isso. O resto é negociável”, acrescentou.

Bamba foi apontado para o posto por Ouattarra que, mesmo sem assumir a chefia do governo, nomeou um ministério logo depois das eleições, em 28 de novembro. De acordo com os resultados anunciados pela Comissão Eleitoral, ele foi o vencedor. Mas o governo contestou, alegando fraude, e a Justiça reverteu o resultado, dando vitória a Gbagbo.

Desde então, órgãos multilaterais como a ONU e a União Africana pressionam Gbgabo a deixar o poder. Ele resiste, alegando que a decisão da Corte Constitucional é soberana e acusando a comunidade internacional de tentar interferir em questões internas da Costa do Marfim. Além da Justiça, Gbagbo tem o apoio das Forças Armadas marfinenses.

Líderes de outros países africanos já visitaram a Costa do Marfim duas vezes, na tentativa de acabar com o impasse político. Na semana passada, a comitiva formada pelos presidentes de Serra Leoa, Ernest Bai Koroma, de Cabo Verde, Pedro Pires, e do Benim, Bon Yayi, além do primeiro-ministro do Quênia, Raila Odinga, esteve em Abdijan, em reuniões com os dois candidatos. Ao final dos encontros, disseram apenas que “as negociações continuavam”.

De acordo com a ONU, pelo menos 200 pessoas morreram desde o início da crise política. Mais de 20 mil marfinenses fugiram do país temendo nova guerra civil. A eleição, esperança da volta da estabilidade, ocorreu dez anos depois da última escolha direta dos líderes do país.

Gabgbo manteve-se cinco anos no cargo sem mandato efetivo, porque não havia condições de realizar eleições. Em 2000, houve uma tentativa de golpe para derrubá-lo. Dois anos depois, estourou uma guerra civil entre o Sul e o Norte da Costa do Marfim. Diferenças étnicas também acirram os ânimos. Desde então, o governo central não retomou o controle completo sobre o Norte do país.

Nos últimos dias, 33 pessoas morreram e mais de 70 ficaram feridas na área de Duekoue, em um conflito entre tribos Dioula e Guere, de acordo com dados da ONU. Centenas de moradores deixaram suas casas, buscando abrigo nas igrejas da região.

Fontes[editar]

Compartilhe essa notícia: Shared via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Newsvine Compartilhe via Reddit.com Share on stumbleupon.com Compartilhe via Technorati