Os pré-candidatos liberais à presidência da colombiana terão que de jurar que se opõem a Uribe

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

21 de março de 2009

Bogotá, Colômbia

No final desta semana, o Partido Liberal Colombiano promulgou uma polêmica resolução que estabelece, entre outras coisas, que os pré-candidatos à presidência da República do partido devem jurar que estão contra a gestão atual de Álvaro Uribe.

No quarto artigo da resolução 1568 do organismo, estabelece-se “el aspirante deberá suscribir una declaración juramentada en el cual conste que (...) respeta y acoge las decisiones políticas aprobadas (...), especialmente en lo relacionado con la oposición al Gobierno Nacional y a la reelección presidencial” (“o aspirante [à Presidência] deverá assinar uma declaração juramentada na qual conste que (...) respeita e aplaude as decisões políticas aprovadas (...), especialmente no relacionamento com a oposição ao Governo Nacional e a reeleição presidencial”).

O documento é firmado pelo diretor nacional do movimento, César Gaviria e regulamenta o processo de realização da consulta popular para a escolha do seu candidato para chefe de Estado no país para as eleições presidenciais de 2010.

Se bem esta iniciativa tenha sido apoiada por uma ampla maioria dos congressistas liberais, o senador Héctor Helí Rojas rejeitou categoricamente. O legislador considera que assinar e jurar que estará sempre pelo partido e que fará oposição ao governo de Uribe não deveria ser necessário, já que para isso bastam as palavras.

Outros requisitos que devem cumprir os pré-candidatos são: ser colombiano de nascimento, cidadania em exercício e maior de trinta anos, tendo exercido em propriedade algum cargo político ou de eleição popular, desde ministro até alcalde (prefeito) de Bogotá; e estar inscrito como militante do partido.

Esta resolução, que chega depois do anúncio de que o partido poderia participar em uma consulta inter-partidarista com vários setores da política colombiana, que não necessariamente se havia oposto em ocasiões anteriores ao atual presidente, despeja toda dúvida sobre o futuro do partido.

A consulta, que vai realizar em 27 de setembro, pretende escolher de maneira popular o aspirante (candidato) liberal para presidência. De modo que uma vez ungido o candidato, o partido possa convergir com outros, como o Polo Democrativo Alternativo, para organizar uma coalizão de partidos da oposição que pode vencer nas urnas a um candidato uribista.

Esta não é a primeira vez Gaviria propõe jurar a oposição ao governo atual. Já houve uma tentativa anterior dos congressistas liberais.

Fontes

Reportagem original
Esta notícia contém reportagem original de um Wikicolaborador.