Os desafios e impacto da ação de Mariano Nhongo

Origem: Wikinotícias, a fonte de notícias livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

21 de setembro de 2020

Agência VOA

Analistas moçambicanos consideram que os novos ataques armados atribuídos e algumas vezes reivindicatos pelos dissidentes da Renamo, liderados por Mariano Nhongo, antigo estratega militar da guerrilha, agravaram a ameaça de estabilidade do país, ao voltar a atingir a espinha dorsal da economia nacional.

O líder dissidente da autoproclamada Junta Militar da Renamo ameaçou na quinta-feira (17), retaliar com novos ataques a tentativa de sequestro dos seus filhos no distrito de Nhamatanda.

No mesmo dia, dois ataques armados contra três autocarros de passageiros provocaram sete feridos, três dos quais com gravidade na zona limítrofe entre os distritos de Nhamatanda e Gorongosa, a nordeste de Sofala, e em Chibabava, mais a sul da mesma província moçambicana.

No domingo, 20, um novo ataque contra quatro autocarros de passageiros e uma carrinha de transporte semicolectivo, escoltados pela Polícia moçambicana, na mesma zona da estrada nacional número um (EN1) em Nhamatanda, matou duas pessoas e feriu outras oito.

A Polícia da República de Moçambique em Sofala atribuiu nesta segunda-feira (21), os ataques aos "bandidos pertencentes à autoproclamada Junta Militar da Renamo", o grupo que aquela força de defesa e segurança diz "continuar a perseguir no teatro das operações centro".

O analista político e docente universitário, Sansão Nhancale, observa, em conversa com a VOA, que a instabilidade socio-econômica provocada pelo conflito na região não se circunscreve às ameaças de Nhongo, mas na sua capacidade de arrastar o conflito para uma dimensão político-militar maior.

"Ele não só tem capacidade de desestabilizar, como tem capacidade de criar fissuras sociais e políticas profundas no país", admite Sansão Nhancale, sustentando que a natureza da sua guerrilha "não precisa de exércitos muito bem formados".

O certo, prosseguiu, "nós percebemos pelo impacto" da guerrilha que já afeta o setor comercial e dos transportes e já paralisou parcialmente os principais corredores econômicos: da Beira e a EN1, considerada espinha dorsal do desenvolvimento do país.

"A capacidade de desestabilizar não é vista sob ponto de vista militar, da quantidade de armas e no número de homens que ele tem, mas é vista sob ponto da vontade que eles têm de criar instabilidade num determinado dia numa zona militar estratégica e com rodovias estratégicas", preciso a Sansão Nhancale.

Para o politólogo Martinho Marcos, independentemente das ameaças esporádicas de retaliações de Mariano Nhongo, "é preciso compreender que o conflito já está instalado", devendo-se medir agora pela sua intensidade.

Fonte


Compartilhe
essa notícia:
Compartilhar via Email Compartilhe via Facebook Tweet essa reportagem Compartilhe via WhatsApp Compartilhe via Telegram Compartilhe via LinkedIn Compartilhe via Digg.com Compartilhe via Reddit.com